quarta-feira, 5 de junho de 2013

É Ruy Castro quem escreve...

Da:Folha de São Paulo

Enfim, a pizza por fax 

Já escrevi  que, com todo o avanço da tecnologia, nada até hoje superou meu assombro ao ver pela primeira vez um fax em funcionamento. Foi em 1988. Para mim, era a revolução. A possibilidade de enviar ou receber direto um texto ou imagem significava o fim das matérias por telex, por telegrama ou pelo passageiro da ponte aérea, a quem se pedia -pode crer- a gentileza de levar consigo um envelope e o entregar a alguém no aeroporto de destino.Mas, como escrevi também, sempre achei que aquele aparelho só se realizaria quando pudesse transmitir uma pizza. Os anos se passaram e tal não aconteceu. Talvez por essa limitação, o fax foi saindo de linha até ser "descontinuado" e relegado ao mais sólido oblívio -um jovem de 20 anos, hoje, não saberá distingui-lo de um motor de geladeira ou de uma máquina de cortar salame. E, com isso, nunca tivemos a pizza transmitida por fax.Até agora. Uma nova tecnologia, a impressora 3D, está empolgando a área biomédica. Com ela, pode-se "imprimir" objetos sólidos que replicam e substituem qualquer órgão que ainda use materiais arcaicos, como ossos, pele, nervos, músculos. Entre as maravilhas já produzidas contam-se próteses ósseas, corações à prova de infarto, material para transplante de face e revestimentos de pele tão perfeitos que podem ser até tatuados.Claro que, com essa impressora, pode-se imprimir também um revólver ou rifle que atira como o velho trabuco e mata do mesmo jeito. Mas esse é um problema que a ciência transfere gostosamente à lei.Agora o que importa. A Nasa encomendou a alguém do Texas uma máquina 3D capaz de imprimir comida e transmiti-la a seus astronautas em missões de longa duração e distância. A pizza foi o primeiro prato citado. Donde parabéns à Nasa e vaias para mim, que não registrei a ideia.

ruy castro
Ruy Castro, escritor e jornalista, já trabalhou nos jornais e nas revistas mais importantes do Rio e de São Paulo. Considerado um dos maiores biógrafos brasileiros, escreveu sobre Nelson Rodrigues, Garrincha e Carmen Miranda. Escreve às segundas, quartas, sextas e sábados na Página A2 da versão impressa

Nenhum comentário: