terça-feira, 18 de junho de 2013

E aí, Brahma??



Cadê o trio elétrico?

Erich Beting

Só faltaram os trios elétricos, ontem, para que a Brahma conseguisse protagonizar o maior “Imagine a Festa” da história do país. Ironias à parte, as passeatas que começam a querer tomar conta das principais capitais do Brasil mostram o quanto foi infeliz a tentativa da Ab-Inbev de tomar para si uma responsabilidade que não lhe competia.
Em setembro do ano passado, a Brahma lançou o comercial “Imagine”, em que tripudiava da insatisfação cada vez mais crescente das pessoas com a infraestrutura de quinta categoria que temos na mobilidade urbana, nas telecomunicações, nos serviços, etc. A ideia era brincar que deveríamos trocar o jargão “Imagine na Copa” por “Imagine a festa”.
É, parece que os pessimistas de plantão decidiram sair às ruas exatamente no instante em que era para realizarmos a festa, após mais de meio ano imaginando-a. Pelas imagens que foram divulgadas em todos os lugares, só faltaram, realmente, os trios elétricos. As pessoas saíram às ruas, os aeroportos continuam cheios, mas faltaram os trios.
Como disse lá em 18 de setembro (relembre aqui), não era função de uma empresa privada tomar para si o risco de realização do megaevento. Afinal, não compete à Brahma melhorar a infraestrutura do país, investir no sucateado sistema de transportes, na estrutura hoteleira, controlar o aumento abusivo dos preços, etc. E isso, por mais que se tente fazer diferente, é função de governo.
Imaginar a festa quando a realidade das pessoas não dá motivos para celebrar é confiar demais no “pão e circo” para as pessoas.
Parece, felizmente, que a corda da insatisfação relativa ao país que vivemos estourou.
É pelos R$ 0,20 do transporte sucateado em São Paulo, claro.
Mas é também pelo estouro abusivo do orçamento da Copa do Mundo.
É pela falta de um projeto de país e pela sobra de um projeto de governo, de quem quer que esteja governando.
É pela corrupção que enraizou-se na nossa cultura e só parece piorar a cada pedido de “por fora” em qualquer situação cotidiana.
É pela absurda política de proteção ao produto nacional que só encarece o produto que consumimos sem melhorar a qualidade.
É pela ausência de um PT na oposição para não deixar que o PT da situação continue a sucatear os investimentos nos direitos mínimos garantidos por lei à população.
No fundo, no fundo, é para garantir que nós possamos, lá na frente, ter vários motivos para imaginar a festa…

Nenhum comentário: