quarta-feira, 31 de julho de 2013

Arte feita com Jeans



Que o jeans é amado e popular em todo o mundo, todos já sabem, mas para o artista InglêsIan Berry, conhecido como Denimu, o jeans é muito mais que isso. Seu amor pelo jeans fez com que se tornasse conhecido pelas incríveis obras de arte feitas com Jeans.
Retratos e paisagens urbanas são os temas que Ian usa para mostrar sua arte super original.
Veja abaixo algumas das suas obras.
Ian Berry Denimu10 550x550 Denimu   Using Old Blue Jeans in the Name of ArtDenimu_Art_Wetpaint_shore1
Ian Berry Denimu9 550x551 Denimu   Using Old Blue Jeans in the Name of Art
Ian Berry Denimu7 550x363 Denimu   Using Old Blue Jeans in the Name of Art
Ian Berry Denimu2 550x372 Denimu   Using Old Blue Jeans in the Name of Art
Ian Berry Denimu 550x313 Denimu   Using Old Blue Jeans in the Name of Art

Do Face pro blog


Uma visita de amor


As três crianças chegaram ao anoitecer. Tristes, traziam nos semblantes as dores choradas por horas.
De mãos dadas, adentraram o que lhes seria, a partir de então, o novo lar.
A mãe havia partido no dia anterior, no rumo do Mundo Espiritual.
O Diretor da Instituição as recebeu e tentou acarinhá-las, desejoso de compensar-lhes o aconchego perdido.
Porque estivessem tomadas todas as camas, ele cedeu a sua para que as três pudessem dormir, naquela noite.
Ele próprio se acomodou, de forma improvisada, no mesmo quarto.
Adormeceram as crianças, abraçadas, num intuito de uma a outra darem proteção.
Na madrugada, algo despertou aquele homem. Abriu os olhos e percebeu um grande clarão próximo à cama dos pequenos.
Tentou erguer-se mas não conseguiu. Uma forma feminina, no meio da luz intensa, lhe disse: Não se mexa. Fique aí. As crianças estão bem.
E deteve-se, especialmente, ao lado do menor dos garotos. O mais desalentado daquele trio.
Durante algum tempo ali permaneceu. E o Diretor, cansado, acabou por adormecer outra vez.
Quando a manhã sorriu, entrando jovial pela janela, ele despertou os meninos.
Enquanto auxiliava o menorzinho a se vestir, percebeu que ele estava muito quieto. Depois, em certo momento, perguntou:
Senhor, minha mãe veio me visitar ontem à noite. O senhor viu?
O Diretor aconchegou a si o pequeno e consentiu:
Sim, meu filho. Eu vi.
*   *   *
A morte não destrói os afetos, nem os relacionamentos.
Os que abandonam o corpo prosseguem, de onde se encontram, a velar pelos que permanecem na Terra.
Amores profundos se perpetuam e onde quer que haja um coração dorido de saudade, o ausente amado se faz presente.
Ninguém está só, no mundo, embora a pobreza dos sentidos nem sempre nos permita o registro dos amados.
Contudo, quando à mente nos assoma a imagem de quem realizou a grande viagem; quando a lembrança dos amores, repentinamente, nos emociona; quando a saudade embala recordações... acreditemos: os amores estão próximos.
São suas presenças que acionam nossos registros mentais e motivam esses quadros doces e acalentadores.
Quando isso ocorrer com você, feche os olhos, sinta o perfume do amor beijar-lhe a face, e agradeça a Deus pela dádiva do reencontro.
Depois, amenizada a saudade, enxugue o pranto, sorria e prossiga nas lutas, aguardando no tempo o reencontro definitivo, quando as sombras da morte igualmente o abraçarem.

 Redação do Momento Espírita, com história do cap. A
visita da mãe a um órfão, do livro O estranho e o extraordinário,
de Charles Berlitz, ed.Best Seller.
Em 29.7.2013.

terça-feira, 30 de julho de 2013

A presença de Sabino neste fim de tarde

Em Matéria de Automóveis
Fernando Sabino

EM matéria de automóveis, seu raciocínio era o seguinte:
  — Para que ter automóvel, se eu não sei dirigir?
E se alguém lhe sugeria que aprendesse:
 — Para que aprender, se não tenho automóvel?
 Um dia, porém, não se sabe como, escapou de seu sofismático raciocínio e apareceu dirigindo um automóvel. Aprendera a dirigir, só Deus sabe como:
 — Fazer o carro andar eu faço. Mas não sei como funciona, nem como é lá dentro. Outro dia ameaçou enguiçar e então me perguntaram se não seria o carburador. Só então fiquei sabendo que meu carro dispõe de um carburador.
 O que o encanta principalmente é o poder sugestivo de certos nomes: carburador, embreagem, chassi. radiador, cárter, diferencial.
  — Fala-se também numa famosa mola de seguimento, que deve ser muito importante. Para mim não há alternativa: se enguiçar, desço e tomo um táxi. Imagine se eu tiver de ficar dentro do carro indagando:
será o dínamo? a bateria, os acumuladores? falta de força no chassi? falta de óleo na bateria?
 Tive de adverti-lo de que bateria e acumuladores eram uma coisa só, e que no radiador só se coloca água.
   — Eu sei, eu sei: aliás, o meu carro, apesar de novo.
deve estar com algum defeito no radiador, não gasta água nunca! Todas as vezes que mando botar água o homem diz que não é preciso, já tem. Com o óleo é a mesma coisa. Abrem a tampa do carro e retiram lá de dentro, de um lugar que jamais consegui ver direito onde é. um ferrinho comprido, enxugam o ferrinho, tornam a enfiar e retiram de novo, me mostram a ponta pingando óleo e dizem que não é preciso. Nunca é preciso.
    — Você não costuma lubrificar o carro?
    — Já lubrifiquei uma vez. Isso é fácil: basta levar o carro no posto e dizer: lubrificação geral, trocar o óleo do cárter. Não me esqueço, por causa daquele detetive dos folhetos do meu tempo, o Nick Cárter.
   — Convém não esquecer também a água da bateria. Tem de ser água distilada.
Isto ele também já sabia. Um dia o carro não quis pegar e alguém lhe disse que devia ser a água da bateria. Foi a um posto e mandou que olhassem se tinha água na bateria. Tinha. Então tirem, pediu. O sujeito ficou a olhá-lo como se ele fosse doido: tirar a água? Então ele disse apenas a palavra mágica, que resolve tudo:
— Verifiquem.
 Verificaram, enquanto ele aguardava, meio ressabiado. O homem do posto se aproximou, misterioso:
— Elemento seco.
 Olharam-se mutuamente, em silêncio, sem que qualquer sombra de compreensão perpassasse entre os dois, esclarecendo os mistérios insondáveis da mecânica dos semoventes. Eis que impenetrável é o desígnio dos motores de explosão e traiçoeira a fôrça dos acumuladores.
   — Elemento seco?
  Elemento seco! Secam-se os elementos e esotérico se torna o segredo que faz o poderio dos seres vivos no comando das máquinas inertes. Num repente de inspiração divinatória, com a voz embargada do emoção, ele sugeriu:
   — Deve ser o giguelê.
 Giguelê — palavra mágica que ele um dia ouviu alguém pronunciar, denunciando a existência de uma peça pequenina que não sabe para que serve nem onde fica, mas da qual certamente emana a energia que movimenta os automóveis, num fluxo de divina inspiração como o que movimenta a dança religiosa em torno à diminuta imagem de Exu e outros deuses pagãos.
  — No mais — arremata ele — tirante o giguelê, em matéria de automóveis estou com as mulheres. Para elas como para mim um carro se compõe apenas de duas coisas: buzina e volante.


Texto extraído do livro "Quadrante 2", 4ª edição - Editora do Autor - Rio de Janeiro, 1963, págs.108-110.

Flores - Titãs

Olhar sobre o cotidiano

                                                                       foto:walnize carvalho

No meio do caminho...flores

Programação SESI - Agosto


segunda-feira, 29 de julho de 2013

Momento "Nelson Rubens"

Globo volta a correr atrás, mas Ana Paula Arósio se recusa a voltar à TV


Do:Uol
Ana Paula Arósio, 38, continua recebendo convites para voltar à televisão.
De acordo com o "Diário de SP", após ser sondada pela Record, ela foi chamada para voltar à Globo.
A atriz foi convidada para integrar o elenco de "Joia Rara", próxima novela das 18h na emissora.
Como tem feito com todos os convites que recebe, ela recusou a proposta.
A publicação diz ainda que, procurarada, a empresária da atriz diz não ter informações sobre ela.
Ana Paula está afastada da televisão desde o seriado "Na Forma da Lei" (2010).
Ela deveria ter protagonizado a novela "Insensato Coração" (2011), mas abandonou a produção quando as filmagens já haviam começado. Na trama, ele foi substituída às pressas por Paolla Oliveira.
O fato acabou azedando a relação da atriz com a Globo. Ela se desligou da emissora na sequência e tem vivido longe dos holofotes no interior de São Paulo desde então.

Recebi e repasso

PROGRAMAÇÃO DO III JOGOS FLORAIS DE CAMPOS
DIAS 02, 03 E 04 DE AGOSTO DE 2013


02 de agosto – Sexta - feira 19hs.
Abertura dos Jogos Florais.
Noite cultural no Café Literário Antonio Roberto Fernandes, no Palácio da Cultura com participação de vários poetas trovadores.
Concurso para escolha da Musa das trovas.
Baile das Musas.
@
03 de agosto de 2013 – Sábado
13 hs  - Passeio Turístico
19 hs  - Solenidade de entrega de Prêmios dos vencedores, no teatro Trianon com a presença de autoridades.
Palestra de Maria Nascimento e  Coroação da Musa das trovas
@
04 de agosto de 2013 – Domingo
09 hs – Oração Ecumênica no Centro Cultural Musical.
13 hs – Almoço encerramento com premiação de Trova Relâmpago.

 

Neiva de Souza fernandes

Novas cédulas de R$ 2 e R$ 5 começam a circular hoje

Do:Uol

O Banco Central (BC) comunicou, na sexta-feira (26), que entram em circulação nesta segunda-feira (29) as novas cédulas de R$ 2 e de R$ 5, da Segunda Família de Cédulas do Real.

VEJA AS NOVAS NOTAS DE R$ 2 E R$ 5

De acordo com comunicado do Departamento do Meio Circulante, as notas de R$ 2 mantém o padrão de cor predominante azul, mas terá novas dimensões. A nota de cinco segue com o tom predominante lilás e passa a apresentar um tamanho diferente do atual.
Os principais itens de segurança nas duas cédulas são a marca d'água, o "quebra cabeças", no qual o valor da cédula aparece quando examinada contra a luz, marcas em alto relevo e elementos fluorescentes, visíveis sob a luz ultravioleta.


Lei estadual obriga condomínios a separarem recicláveis

Do:O globo.com

Caminhão azul da Comlurb faz coleta seletiva em ruas do Jardim Botânico. Dia certo para o recolhimento do lixo reciclável em todas as 9.522 ruas atendidas pela empresa no Rio
Foto: Camilla Maia
Caminhão azul da Comlurb faz coleta seletiva em ruas do Jardim Botânico. Dia certo para o recolhimento do lixo reciclável em todas as 9.522 ruas atendidas pela empresa no Rio Camilla Maia
RIO - É lei. Desde o dia 11 de junho, todos os prédios com mais de três pavimentos do estado estão obrigados a fazer a coleta seletiva, separando papel, plástico, vidro e metal em compartimentos diferentes. Iniciativa louvável em prol do meio ambiente que, no entanto, tem poucas chances de dar resultados concretos.
Sem definir multas ou punições para os condomínios que não cumprirem a legislação, nem determinar qualquer tipo de mudança na maneira como a coleta é feita em cada município, a nova lei corre o sério risco de não pegar.
— O síndico não pode obrigar os moradores a separarem o lixo. Se não houver uma conscientização da população e um posicionamento do executivo mostrando que a coleta seletiva é realidade, a lei pode cair no vazio — acredita Alexandre Corrêa, diretor de Assuntos Condominiais do Sindicato da Habitação, o Secovi-Rio.

domingo, 28 de julho de 2013

Tudo que vicia, começa com C

Texto atribuído a Luiz Fernando Veríssimo

TUDO QUE VICIA COMEÇA COM "C"
 Luiz Fernando Veríssimo

Por alguma razão que ainda desconheço, minha mente foi tomada por uma ideia um tanto sinistra: vícios....
Refleti sobre todos os vícios que corrompem a humanidade. Pensei,pensei e,de repente, um insight: tudo que vicia começa com a letra C! 
De drogas leves a pesadas, bebidas, comidas ou diversões, percebi que todo vício curiosamente iniciava com cê.
 Inicialmente, lembrei do cigarro que causa mais dependência que muita droga pesada. Cigarro vicia e começa com a letra c. Depois, lembrei das drogas pesadas: cocaína, crack e maconha. Vale lembrar que maconha é apenas o apelido da cannabis sativa que também começa com cê.
Entre as bebidas super populares há a cachaça, a cerveja e o café. Os gaúchos até abrem mão do vício matinal do café,mas não deixam de tomar seu chimarrão que também - adivinha ? - começa com a letra c. 
Refletindo sobre este padrão, cheguei à resposta da questão que por anos atormentou minha vida: por que a Coca-Cola vicia e a Pepsi não? Tendo fórmulas e sabores praticamente idênticos, deveria haver alguma explicação para este fenômeno. Naquele dia, meu insight finalmente revelara a resposta. É que a Coca tem dois cês no nome enquanto a Pepsi não tem nenhum. 
Impressionante, hein? 
E o computador e o chocolate? Estes dispensam comentários. Os vícios alimentares conhecemos aos montes, principalmente daqueles alimentos carregados com sal e açúcar. Sal é cloreto de sódio. E o açúcar que vicia é aquele extraído da cana.
 Algumas músicas também causam dependência. Recentemente, testemunhei a popularização de uma droga musical chamada "créeeeeeu". Ficou todo o mundo viciadinho, principalmente quando o ritmo atingia a velocidade? cinco.  
Nesta altura, você pode estar pensando: sexo vicia e não começa com a letra C. Pois você está redondamente enganado. Sexo não tem esta qualidade porque denota simplesmente a conformação orgânica que permite distinguir o homem da mulher. O que vicia é o ato sexual e este é denominado coito.
 Pois é. Coincidências ou não, tudo que vicia começa com cê. Mas atenção: nem tudo que começa com cê vicia. Se fosse assim, estaríamos salvos pois a humanidade seria viciada em Cultura

A Felicidade

sábado, 27 de julho de 2013

Saudade:nó difícil de desatar

  
Walnize Carvalho

          E foi quando, dia desses, indo à sua casa (onde ainda reside mamãe – sua companheira de tantos anos) ela presenteou-me com um dos seus adornos: uma echarpe de seda colorida com o seguinte comentário: - Leve para você. Só peço que não desate o nó que foi feito por seu pai, com muito carinho para mim.
            O entrelaçamento era de beleza artesanal: uma mistura de laço e nó de gravata. Belo de se ver; difícil de se fazer e impossível de se querer desmanchar.
            Por um momento vi diante de meus olhos patenteada mais uma de suas artes: a de fazer nós com perfeição. E foram tantos!... O que era dado na linha da minúscula agulha em seu tempo de alfaiate; os que fazia com esmero nas múltiplas gravatas que possuía e – em especial – os que utilizava barbantes para amarrar embrulhos. Nestes não importava o conteúdo, a embalagem assumia ares de presente de aniversário.
            O certo é que cada nó possuía um particular detalhe que só ele – meu pai – sabia atar e desatar.
            Voltei para casa, já com o mimo no pescoço, com lágrimas nos olhos e um nó apertado na garganta.
            Com avidez fui à estante do meu quarto e busquei o livro “Quase memória”, de Carlos Heitor Cony, com a certeza de que o relendo encontraria identificação com o sentimento que me dominava.
            Para quem não leu (e recomendo) o autor “se reencontra com o pai – já falecido há 10 anos - através de uma encomenda que lhe chega às mãos”.
            Fiz a releitura com emoção e criteriosamente extraio fragmentos que reproduzo aqui para os leitores:
            “(...) Foi então que olhei bem o embrulho. Só ele daria nó exato e sólido. Só ele fazia essas pequenas coisas com perícia. (...) Colocava solenidade nas coisas, fosse apanhar objeto no chão ou fazer a barba, tudo demandava uma técnica que só ele sabia. (...) Me aproximei para admirar o nó perfeito, justo, uma obra de arte. (...) Parece exagero louvar um nó, mas o pai era o primeiro a se vangloriar na arte de dar nó. (...) Olho com admiração, com bruto respeito a obra-prima feita com aqueles dedos...”
            Respiro fundo. Coincidências? Semelhanças?
            Fecho o livro.
            Saio de casa. Caminho pela cidade. Meus passos lentos me levam pelas ruas tal qual o nó da echarpe me levou “pelas ruas da memória”.













    Saudade: nó difícil de desata

Palavras que ficam

O tempo não pára! Só a saudade é que faz as coisas pararem no tempo...
Mario Quintana

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Botão do Pânico





Dispositivo “botão do pânico” distribuído em Vitória (ES)
Foto: Reprodução / Bom Dia ES



Dispositivo “botão do pânico” distribuído em Vitória (ES) Reprodução / Bom Dia ES
VITÓRIA - Após a vigência de “botões do pânico” na capital do Espírito Santo, a Guarda Municipal fez a primeira prisão de violência contra a mulher a partir do dispositivo eletrônico de segurança. Um homem foi preso na tarde desta quinta-feira, no bairro Jabour, em Vitória, e foi encaminhado para a Delegacia da Mulher. Uma dona de casa, que não quis se identificar, acionou o equipamento depois de receber ameaças do ex-marido. Ela conta que sofre com essa situação há dois anos.
O chamado botão do pânico passou a ser distribuído para as mulheres vítimas de violência doméstica de Vitória em abril deste ano. O dispositivo possui sistema de posicionamento global (GPS) e gravação de áudio. Quando o botão é pressionado, a central de monitoramento recebe um chamado e pode fazer escuta. Quatro viaturas da Guarda Municipal da capital capixaba estão disponíveis para prestar esse socorro.
A vítima em questão, protegida pela Lei Maria da Penha, já tinha conquistado na Justiça uma medida que obriga o ex-marido a manter uma distância de, no mínimo, 300 metros dela. No entanto, o homem não cumpria o determinado. Três horas depois de a dona de casa ter recebido o equipamento nesta quinta-feira, o botão já precisou ser acionado, pois o ex-marido foi até a sua casa para lhe fazer ameaças.
— Ele chegou perto do meu apartamento e começou a gritar que o imóvel era só dele, e que ele entraria e sairia a hora que ele quisesse. Além disso, ele tirou algumas fotos e começou a me amedrontar, foi então que eu apertei o botão do pânico — relatou a mulher ao G1.
A Guarda Municipal de Vitória foi, então, até a residência da dona de casa. Após a eficácia do dispositivo, ela diz se sentir mais segura:
— Eu apanhei dele três vezes, até chegar ao ponto que cheguei hoje. Mas agora estou muito feliz com a proteção que estou tendo e gostaria que todas as mulheres também tivessem essa proteção.
Fonte:G1

Fim de semana chegando...


E no Dia da Avó...

À elas devo o título honroso de AVÓ:



Valentina(7), Clara (17) e Giulia (18) respectivamente...

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Celulares do RJ e ES ganharão mais um dígito

A partir do dia 27 de outubro, usuários dos DDDs 21, 22 e 24 no Estado do Rio de Janeiro, e 27 e 28 no Espírito Santo, terão o dígito 9 acrescentado à esquerda dos atuais números de celular. O DDD 22, que pertence às regiões Norte/Noroeste/Serrana e Lagos do Rio, tem 2.995.679 celulares atualmente. 
De acordo com a Anatel, nos primeiros dez dias após a mudança, as chamadas feitas com oito dígitos passarão normalmente. Depois, por mais dezoito dias, começa a interceptação das chamadas feitas com oito dígitos. O usuário ouvirá uma mensagem e a chamada será completada. Depois, por mais doze dias somente a mensagem sem completamento.

Gran Circo Pipoca no Trianon


A criançada tem espaço especial na programação dos 15 anos do Teatro Municipal Trianon. Neste domingo (28), às 17h, será apresentado o espetáculo “Gran Circo Pipoca”. A peça mostra as peripécias de um casal de palhaços em seu circo. Os ingressos custam R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia). A classificação indicativa é livre. A programação de aniversário do Trianon tem a realização da Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima.


Pipoca é o mágico Mr. Pipoca, o acrobata Pipoca e até mesmo o leão do circo. Sua companheira Pipoquinha é domadora, bailarina e malabarista. O projeto busca resgatar o Mundo Encantado do Circo, com números clássicos de palhaço de circo, que atualmente estão esquecidos. No elenco, estão os atores Aline Fernandes, Renata Dias e Wagner Esse.

SESC


Primeiro milagre de Francisco




Do jornalista José Simão: "O Papa Francisco realizou seu primeiro milagre: fez os brasileiros se apaixonarem por um argentino."

Pois é...

Do blog Radar On Line , de Lauro Jardim:

Subcelebridades candidatas

Viviane e Anamara: nova dupla no Congresso?


Vai começar a caça às subcelebridades para as eleições 2014. O PTdoB convidou a ex-BBB Anamara para se candidatar a deputada federal no ano que vem. Resta saber se sairia candidata pelo Rio de Janeiro, São Paulo ou Bahia.
O PSL não ficou atrás. Convidou Viviane Araújo, que venceu A Fazenda 5, para também entrar na briga.
Por Lauro Jardim

Parabéns, Cuca!


Como sabem os nossos sete leitores, sou um apaixonado botafoguense. E estou muito feliz com a classificação do meu Botafogo para a próxima fase da Copa do Brasil, depois do melhor goleiro em atividade em gramados tupiniquins, Jefférson, brilhar nas cobranças de pênaltis ontem à noite frente ao Figueirense.
Mas hoje quero dar os parabéns ao melhor técnico do país. Seu nome é Alexi Stival. Mas podem chamá-lo de Cuca. Com ele no comando, vi meu Botafogo jogar o futebol mais bonito do país em 2007. Mas não ganhou nenhum título importante. E até ontem, ele era tachado como um técnico azarado e perdedor. Mas agora, não mais. O justo e emocionante título do Galo - não vi a partida toda, pois meu Botafogo jogou no mesmo horário - veio coroar uma carreira brilhante e um profissional super gabaritado. Quem ganha é o futebol. E quem ama o futebol, independentemente de que time torce.
Que seja a primeira de várias conquistas! E os chatos de plantão podem agora parar de chamá-lo de perdedor e azarado.
Como bem ele disse, azarado "porra nenhuma"!!!!!

E no Dia do Escritor

... CARLOS HEITOR CONY 

O amendoim e a fábula - 
VEIO DE longe para tentar a vida no Rio. Queria ser escritor. Até a idade de oito anos vendera amendoim torradinho. Entre o amendoim torradinho e a glória, o caminho era duro, mas ele seria forte. O físico não ajudava: pequenino, magrinho, nervoso. Tipo ideal para extrema esquerda do Olaria. Sabia escrever e escrevia bem. Não tinha cultura, mas ninguém precisa ter cultura para escrever. Cultura até atrapalha. Amor também atrapalha. E começou a amar e a ficar atrapalhado. Quando levou o primeiro fora respeitável, deixou crescer a barba em sinal de protesto ou de dor. Protesto um tanto lírico, dor um tanto velhaca, mas a cara adquiriu aspectos sombrios, parecia efígie de selo belga. Murmuram as línguas informadas que nunca esqueceu esse primeiro amor. Se não esqueceu, pelo menos não abriu as veias: enfrentou novamente a vida e o amor, e foi amando e escrevendo para os jornais. Mas, ao fim da noite, quando se olhava no espelho, ele sabia que amara e fora traído, sofrera e gozara apenas para esquecer a primeira. Saía então para beber. Bebia e perdia o emprego. Mudou de jornal, em um ano percorreu todas as redações do Rio e todos os bairros onde houvesse mulher digna de seu amor e de sua dor. Ameaçava escrever um romance quando os amigos diziam que ele estava se perdendo. Até que um dia correu a notícia: fugira com uma mulher casada para Brasília, num Volkswagen. A notícia tinha metade digna de crédito: a fuga com a mulher casada. A metade inverossímil era o Volkswagen -os tempos andavam magros, e ele não tinha dinheiro nem para o bonde. Mas o carro podia ser da mulher, e aí a fuga faria sentido. Não fez sentido foi a semana seguinte. Voltaram os dois de Brasília, ele e ela, sem Volkswagen mesmo. O marido perdoou a esposa prevaricadora, e a esposa, livre da prevaricação, tomou fobia pela cara do ex-amante, e o ex-amante tomou pifões em diversos bares e escreveu cartas que os suplementos literários publicavam. Recusou oferta de um emprego em Brasília. Volta e meia os governantes querem prestigiar a classe e convidam tudo quanto é intelectual para os gabinetes. Em uma dessas ondas, veio o convite e seguiu a recusa: -Vim ser escritor no Rio, e não funcionário em Brasília! Atitude e a frase eram dignas de figurar na Enciclopédia Britânica, e, por causa disso, pediu R$ 500 ao amigo: estava na negra. Precisava encher a cara, uma infiel de Ipanema. Dera-lhe sopa no teatro e bolo no dia seguinte. -Como pode, hein? -Mulher é assim mesmo. -Mas elas mudam tanto! -Isso já está em ópera. Não foi beber com os R$ 500. Foi é enfrentar um macarrão com bastante queijo, matar a fome de dois ou três dias. E, dois ou três dias depois, ameaçou suicídio. Uma mulata fatal, de olhos enormes, carnuda. Tomou enorme pifão e tentou a morte: pulou da janela. Mas não morreu nem se feriu: dois meses atrás morava num oitavo andar, agora morava no chão -a altura da janela não deu nem para curar a bebedeira. Agora sim, iria escrever um romance. Todo mundo acreditou no romance, inclusive ele. Comprou resmas de papel, máquina portátil, fez um esboço que chegou a publicar. O livro passou a ser citado. Duas ou três passagens conhecidas de relato oral foram incorporadas definitivamente aos melhores momentos da ficção nacional. Raspou e deixou crescer a barba inúmeras vezes, amou e foi traído, pulou janelas e empregos, foi envelhecendo e perdendo a pinta de menino prodígio, os olhos ficavam baços atrás das lentes cada vez mais grossas. Pelas madrugadas da cidade, é agora um vulto que passa sempre às mesmas horas e nos mesmos lugares, procurando público e amor. Qualquer um dos dois serve: tanto o amigo que ouvirá mais um trecho do romance que ainda não escreveu como a moça que lhe despertará paixão, ciúmes, novas e sofridas epístolas. Some pela rua escura. O passo é nervoso, ligeiro. Tem ainda a agilidade do vendedor de amendoim. E o cansaço do homem grande que o vai envolvendo em silêncio e tornando cada vez mais obstinada a vontade de ser feliz."ganhar dinheiro

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Exposição agropecuária de São Fidélis




Acontece a partir desta quinta-feira, 25, a X ExpoAgro de São Fidélis. Às 7h começa o X Concurso Leiteiro que já é tradição durante a festa. Serão 28 vacas que disputarão três categorias: 15kg, 20kg e Livre.

A retirada do leite acontecerá sempre às 7h e às 19h, até o término do concurso no sábado. A premiação é de 12 mil reais distribuída entre as 3 categorias, além de medalhas para todos os participantes.
Os animais começarão a chegar já nesta quarta-feira. Haverá rodeio todos os dias com a Companhia Falcão, sempre às 20h, além de provas hípicas de baliza e tambor, realizadas pela Associação Estadual dos Criadores de Quarto de Milha, no sábado, a partir das 13h.
A entrada é franca.  


Segue a programação:
5ª feira - 25/07 
7h - Início concurso leiteiro
20h - Abertura oficial da X ExpoAgro
20:30 - Rodeio com a Cia Falcão
22h - Show gospel com Régis Danese  
6ª feira - 26/07
20h - Rodeio com a Cia Falcão
23:50 - Show com Cláudia Leite
Logo após - Show com Grupo Só Fera.  
Sábado - 27/07
13h - Provas Hípicas de Tambor e Baliza
20h - Rodeio com a Cia Falcão
20h - Final do Concurso Leiteiro
23:50 - Show com João Lucas e Marcelo
Logo após show com Nycolas e Adriano  
Domingo 28/07
20h - Rodeio com a Cia Falcão
23:50 - Show com Revelação
Logo após show com Grupo DiBamba

Espectro do Cabo Anselmo ronda os protestos do Rio - Por Mário Magalhães




                                                                           Anselmo, que parecia uma coisa, mas era outra


O fantasma que ronda as manifestações em curso no Rio ganhou carne e osso em vídeos mostrando a ação de prováveis infiltrados da Polícia Militar no protesto de segunda-feira nos arredores do Palácio Guanabara.
Algumas imagens podem ser vistas mais abaixo. Participantes do ato público sustentam que agentes do serviço reservado da corporação, afamado como P2, teriam jogado coquetéis molotov contra a tropa. O propósito, acusam, seria justificar repressão truculenta. Os artefatos feriram dois soldados, de acordo com a PM.
Os registros são eloquentes. Nota da polícia confirma o emprego de agentes se passando por manifestantes, mas nega com contundência que PM tivesse ferido PM, a fim de incriminar os ditos “baderneiros”.
A olho nu, a análise sobre a identidade de ao menos um atirador de bomba incendiária é inconclusiva para este repórter míope que aqui escreve. O primeiro vídeo ao pé do post aponta para coincidências. Um blogueiro do “New York Times” anotou diferenças.
Um vídeo que a PM divulgara ontem no Youtube saiu do ar depois de observadores encontrarem semelhanças entre o arremessador de explosivo e um aparente infiltrado que outra gravação flagrou.
Serviços secretos de informações não são instrumentos exclusivos de ditaduras. Eles têm serventia legítima ao Estado democrático de direito. Quase todas as grandes apreensões de drogas ilícitas no país resultam da coleta eficaz de dados por agentes de inteligência da Polícia Federal. Supõe-se e espera-se que a Agência Brasileira de Inteligência tenha investigado com rigor a possibilidade de conspirações terroristas contra o papa em sua visita ao Brasil, nem que seja para se certificar de que elas de fato constituem paranoia. E por aí vai.
Ao contrário do consagrado por tiranias, contudo, na democracia os serviços de espionagem militares e policiais precisam se submeter aos limites constitucionais. Não devem mirar antagonistas políticos, combatendo-os como os “inimigos internos” preconizados pela Doutrina de Segurança Nacional da ditadura instaurada em 1964.
A pancadaria nas cercanias do Palácio Guanabara lustrou a argumentação do governo Sérgio Cabral, que horas antes baixara decreto prevendo a quebra sem autorização judicial do sigilo de comunicações de alegados suspeitos de vandalismo. Juristas consideraram a iniciativa ilegal, e o governador recuou.
Ignoro o caráter da atuação dos policiais infiltrados. Mas sei que provocadores têm servido, de caso pensado ou não, à notória campanha em curso para demonizar as mobilizações. Ressurgiu o tom opositor da cobertura jornalística que vigorou nos primeiros atos do Movimento Passe Livre, em São Paulo. A despeito das ressalvas, equipara-se a massa combativa e pacífica à minoria de manifestantes ou “manifestantes” violentos.
Eu enfatizara na sexta-feira: “Como [os autores de quebra-quebra no Leblon] queimam o filme dos protestos e beneficiam o governo estadual com o verniz de vítima, talvez haja infiltrados de origem nebulosa. Cometeram crimes, têm de ser punidos escrupulosamente, nos termos da lei”.
O que isso tudo tem a ver com o tal Cabo Anselmo? Para quem chegou agora ao tobogã da história: o personagem é o marinheiro de segunda classe José Anselmo dos Santos. Os jornais do passado o celebrizaram como cabo, posto que ele jamais alcançou na Força. Nos meses que antecederam o golpe de Estado de 1964, o dito cujo presidia a Associação dos Marinheiros e Fuzileiros Navais do Brasil, agremiação que batalhava por uma plataforma democrática e reformista.
Há indícios fartos de que já então o falso cabo fosse informante da polícia política (Dops carioca), do Centro de Informações da Marinha (Cenimar) e da Central Intelligence Agency (a CIA norte-americana).
Só na década de 1970, quando o ex-marinheiro se travestia de guerrilheiro de esquerda, seus companheiros tiveram certeza de sua condição de infiltrado. No derradeiro serviço, Anselmo entregou seis correligionários para a repressão matar. Um deles era sua própria mulher, ao que tudo indica grávida.
Anselmo está vivo até hoje, quando se transforma em espectro nas manifestações: quem serão os Cabos Anselmo nas ruas do Rio?
Minha estupidez não é tamanha a ponto de supor que o desempenho dos infiltrados da PM seja igual ao de Anselmo. Muito menos que a conjuntura pré-abril de 1964 tenha parentesco com a atual. Mas há uma conformidade inegável: antes, supunha-se que Anselmo fosse um bravo militante político, quando não era. Até poucos dias atrás, mesmo os mais desvairados ativistas dos protestos passavam por legítimos manifestantes. Com os vídeos agora conhecidos, descobre-se _ou se confirma_ que alguns trabalham para a Polícia Militar.
Uma coisa é colher informações sobre vândalos.
Outra é atacar a tropa, fabricando pretextos para a repressão mais dura.
O que a PM pretende prendendo um repórter da Mídia Ninja? E surrando um fotógrafo?
Talvez as respostas apareçam na próxima passeata.

* Mário Magalhães nasceu no Rio em 1964. Formou-se em jornalismo na UFRJ. Trabalhou nos jornais “Folha de S. Paulo”, “O Estado de S. Paulo”, “O Globo” e “Tribuna da Imprensa”. Recebeu mais de 20 prêmios. É autor da biografia “Marighella – O guerrilheiro que incendiou o mundo”.

Justiça suspende vendas da Ricardo Eletro pela internet


Fonte: Portal A Tarde




Uma decisão liminar da Justiça do Rio de Janeiro determinou a suspensão das vendas pela internet da companhia de varejo Ricardo Eletro. A liminar, concedida pela 3ª Vara Empresarial da capital, foi obtida em ação civil pública movida pelo Ministério Público do Rio de Janeiro.
Segundo a liminar, a companhia fica proibida de vender pelo endereço ricardoeletro.com.br até que sejam atendidos todos os consumidores com entrega atrasada. A medida fixa multa diária de R$ 100 mil, em caso de descumprimento, e estabelece que a empresa defina um prazo para as entregas.
O Ministério Público informou que sua Ouvidoria recebeu inúmeras queixas de consumidores e que o site Reclame Aqui registrou mais de 22 mil denúncias sobre descumprimento de prazos da empresa, conduta que viola o Código de Defesa do Consumidor. De acordo com o órgão, na ação, o promotor de Justiça Julio Machado afirma que, após o descumprimento do primeiro prazo de entrega estabelecido, a companhia fixava outros que também não eram respeitados. O consumidor ainda enfrentava dificuldade quando tentava cancelar a compra, segundo o promotor.

A decisão da 3ª Vara Empresarial foi publicada no último dia 10 no Diário da Justiça Eletrônico do Estado do Rio de Janeiro e divulgada nesta terça-feira, 23, pelo Ministério Público. Nesta tarde, porém, o site da Ricardo Eletro continua a fazer anúncios de produtos. Procurada pela reportagem, a companhia ainda não se pronunciou.

Doação de sangue- URGENTE- MACAÉ

Edilon Gonçalves Vilar está internado no Hospital Público Municipal (HPM), em Macaé, e necessita com urgência de sangue de qualquer tipo.

As doações devem ser realizadas no Hemocentro de Macaé, em nome do paciente.

* Endereço: Rua Doutor Bueno, nº 40 - Centro
* Telefone: (22) 2796-1756
* Funcionamento: 2ª a 6ª feira, das 7h30 às 12h30

Com o friozinho dá uma preguiça!...

Lembrei-me do Bicho preguiça:

Sabia que:O bicho-preguiça dorme 14 horas por dia e só faz cocô uma vez por semana!

A preguiça vive até os 40 anos! Saiba tudo sobre ela

Texto: Débora ZanelatopreguicaUááááá... Acabei de acordar!

Bela Adormecida
A preguiça fica acordada à noite e dorme o dia todo na copa das árvores. Raramente bota as patas no chão – prefere mesmo ficar zanzando entre as árvores.
► 14 HORAS É o que uma preguiça dorme por dia, em média. Ficou com inveja?
Preguiçosinho...
Com metabolismo bem lento, as preguiças fazem cocô só uma vez por semana! É quando elas resolvem descer das árvores e procurar um troninho em terra firme.
Devagar e sempre
Se a velocidade é importante para muitos bichos na natureza, a lentidão da preguiça é salvadora! Com movimentos lentos e silenciosos, ela não chama a atenção de predadores como a águia e a onça-pintada.
Está com sede? Não!
O animal não tem sede e nunca bebe água. O líquido de que necessita já é absorvido dos alimentos que ingere.
zZZzZZZ...
Gira, Gira, Gira!
A cabeça é bem arredondada e consegue fazer movimentos giratórios de até 270 graus!
Boa de faro
A visão e a audição da preguiça não são das melhores. Por isso, o animal conta com um bom olfato, que ajuda a encontrar comida.
As unhas são longas e fortes, boas para se prender nas árvores. Mas a preguiça é tão lenta que dificilmente atacaria alguém.

Par ou ímpar?
Três espécies de preguiça contam com três dedos nos pés, enquanto outras duas espécies têm apenas dois dedos.
Prima do tatu
Pode acreditar: apesar de a aparência ser diferente, a preguiça é um parente distante dotatu e do tamanduá. Os três fazem parte da ordem Xenarthra, que é uma divisão na classe dos mamíferos.



Ficha da preguiça
  • Onde vive: nas florestas da América Central e do Sul. Pode ser encontrada na Amazônia
  • Tamanho: 70 centímetros
  • Peso: entre 3 e 6 quilos
  • O que come: folhas, frutos e brotos de árvore
  • Tempo de vida: até cerca de 40 anos
Consultoria: Guilherme Domenichelli (biólogo e autor dos livros Girafa tem Torcicolo? e Mistério na Floresta Amazônica, publicados pela Panda Books).

Vagas de empregos em Macaé


 Os profissionais que procuram por uma colocação no mercado de trabalho devem ficar atentos à listagem disponível na secretaria de Trabalho e Renda da Prefeitura de Macaé. Ao todo, são oferecidas 1.577 vagas em diversas áreas para ambos os sexos. Para fazer o cadastro é necessário comparecer à sede da secretaria com os seguintes documentos originais: carteira de identidade, CPF, carteira de trabalho e currículo atualizado. O horário de atendimento ao público é das 8 às 16h, de segunda a sexta-feira. Os telefones são (22) 2762.4518 e 2796-1226 e o endereço é Rua Télio Barreto, 28, Centro. Se preferir, o candidato pode realizar o pré-cadastro no portal da prefeitura: www.macae.rj.gov.br/trabalhoerenda. Para validar o cadastro é necessário comparecer à secretaria de Trabalho e Renda.