sexta-feira, 12 de julho de 2013

Paciência


Você se julga uma pessoa paciente?
Não tenha pressa de responder, mas ouça atentamente a historieta que vamos contar.
Um homem estava passando por uma séria dificuldade financeira.
Já há algum tempo andava desempregado e, devido a sua idade, estava sendo muito    difícil arranjar um emprego.
Há dias que não fazia uma refeição decente e o desânimo havia tomado conta de sua vontade, por isso perambulava, agora, pelas ruas, sem destino.
Num dado trecho do caminho, enxergou no chão o que pareceu ser uma nota de dinheiro.
Correu em direção ao papel e viu que se tratava de uma cédula de valor.
Não era muito, mas, antes de recolhê-la da calçada, olhou por todos os lados, para ver se ninguém por perto reclamava a falta do dinheiro.
Não, não havia ninguém com ar de ter perdido alguma coisa.
O homem pensou: É bom demais para ser verdade!
Apesar da quantia não ser tão expressiva, já serviria para amenizar-lhe a fome naquele dia.
Quase num sobressalto, ajuntou a nota, desamassando-a.
Porém, que decepção! A nota, na verdade era apenas a metade da cédula.
Irritado, rasgou em pedacinhos o pedaço de papel, jogando-os num bueiro.
Continuou a caminhada, amolentado, esbravejando em pensamento.
Contudo, alguns metros adiante, para surpresa sua, encontraria a mesma nota. Era a outra metade da primeira!
*   *   *
Os grandes problemas da impaciência são as perdas que o impaciente sofre.
A primeira delas é, obviamente, a perda da serenidade.
Sem serenidade, não temos condições de avaliar com frieza as circunstâncias que nos envolvem, de modo que possamos enxergar as saídas e soluções possíveis.
Perdendo a serenidade,  perdemos também o bom senso.
Sem o bom senso,  nos tornamos impotentes, ou apenas nos sentimos impotentes.
Paciência é respeito.
Respeito aos outros e a nós mesmos.
Seja paciente você também.
Você verá que é muito mais produtivo trabalharmos pacientemente do que nos irritarmos com o que não será modificado do dia para a noite.
Ademais, quem não sabe esperar, também não sabe usufruir!
*   *   *
Tomas Edison, o grande inventor, já estava na tentativa número seiscentos e sete para incandescer um filamento e conseguir inventar a lâmpada.
O seu assistente, cansado, insistiu para que ele desistisse.
Edison perseverou. Resultado: dessa vez, o invento alcançou êxito.
Você acaba de perceber o que a paciência pode conseguir.
A pessoa paciente é aquela que aguarda o momento certo de agir, a hora ideal para falar e o instante oportuno de calar.
Paciência não significa passividade, indolência ou subserviência.
Paciência é a atitude inteligente de quem compreende que as pessoas nem sempre são como os outros desejariam que fossem.

Redação do Momento Espírita.
Em 25.7.2012.

Nenhum comentário: