sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Valor do salário mínimo

O Ministério do Planejamento fixou em R$ 670,95 o valor do salário mínimo a partir de janeiro de 2013. O novo valor é 7,9% maior que os R$ 622 pagos atualmente.

A inspiração de Arnaldo Antunes na Exposição "Gil 70":Meditação"



Arnaldo Antunes inspirou-se na canção de Gil:"Meditação"
"dentro de si mesmo
mesmo que lá fora
fora de si mesmo
mesmo que distante
e assim por diante
de si mesmo, ad infinitum

tudo de si mesmo
mesmo que pra nada
nada pra si mesmo
mesmo porque tudo
sempre acaba sendo
o que era de se esperar"



Fim de semana no Rio?

A dica é prestigiar a exposição: Gil 70 que reúne obras de vários gêneros sobre o artista baiano.

Do:JB                                          

 Estará em cartaz até 28 de outubro, de terça a domingo, das 12h às 19h, no Centro Cultural Correios, no Centro do Rio. A entrada é grátis e a classificação é livre.
Tudo porque no último dia 29 de junho, o cantor, compositor e guitarrista Gilberto Gil fez 70 anos, e para celebrar a data, o poeta e designer gráfico André Vallias, com a colaboração do pesquisador Frederico Coelho, criou e organizou a referida exposição .
Gilberto Gil modificou a MPB com suas ideias e criatividade. Sua obra foi de suma importância para a história do país e contribuiu para disseminar ritmos, culturas, crenças e comportamentos. Ritmos com reggae, afoxé, rock, samba, baião foram conhecidos por meio de suas canções, em seus 49 anos de carreira, com 57 álbuns lançados.
A exposição traz 21 trabalhos, entre esculturas, grafites, fotografias, pinturas, vídeos, poesia visual e instalação interativa. Tudo inspirado em canções de Gil ou trabalhos dedicados a ele. Com 24 displays que dão acesso a áudio, letra e comentários de 70 dos sucessos do artista, a mostra tem participação de 25 artistas, como Arnaldo Antunes, Adriana Calcanhotto, Andrucha Waddington, Lula Buarque de Hollanda, Caetano Veloso, entre outros. Na ante-sala da exposição, há uma montagem de uma linha do tempo, com imagens, filmes e depoimentos, acompanhada por totens multimídia.

E no asilo do rock...


'"Lua azul" acontece nesta sexta-feira

Segunda lua cheia do mês, chamada de “Lua Azul” será no mesmo dia do funeral de Neil Armstrong

Do:iG São Paulo

A coincidência será poética: o funeral do ex-astronauta Neil Armstrong , o primeiro homem a pisar na Lua, acontecerá no mesmo dia da rara “Lua Azul”,(foto:Nasa) a segunda lua cheia a acontecer no mesmo mês.
O ciclo lunar completo tem 29,5 dias, e por conta disso, na sincronização entre o ciclo e o calendário, um mesmo mês pode acomodar duas luas cheias, algo que acontece a cada 2,7 anos. Em 2012 ela acontece nesta sexta-feira (31) e a próxima será apenas em julho de 2015. Apesar do nome, a coloração da lua continuará a mesma de sempre.



O menino acorrentado

Contardo Calligaris(*)

A notícia apareceu na internet na quinta passada, dia 23: no Paraná, um menino de nove anos foi encontrado acorrentado, sozinho em casa, sem água e sem comida ao seu alcance. A mãe e o padrasto foram trabalhar e o deixaram assim. Na primeira reportagem, as explicações do comportamento dos pais estavam no condicional: segundo eles, "seria" a primeira vez, e o menino "estaria" envolvido com drogas. Ou seja, opróbrio nos pais cruéis.
Mais tarde, o site da CGN publicou uma entrevista com o padrasto. Pergunta: "Você sabe que agora, por mais que você tenha tido uma boa intenção, vocês vão responder judicialmente pela atitude que vocês tiveram?". O padrasto: "Com certeza. Só que acontece que eu não vou criar um moleque ladrão, maconheiro e bandido dentro da minha casa, para, amanhã ou depois, vocês jogarem na minha cara que eu não fui pai e não pude educar".
Depois de o padrasto expor um rosário de roubos cometidos pela criança, nova pergunta: "Não era o caso de procurarem a Polícia Militar e falarem: 'Está assim! Não estamos conseguindo (...)', em vez de acorrentar essa criança em casa?". E o padrasto: "A minha esposa já ligou (para a PM), acho que umas três ou quatro vezes. Mas ele sai de casa, ele some".
No dia seguinte, a TV Tarobá ouviu a mãe e o menino. Para a mãe, "se tentar segurar (o menino), é pau, pedra, tijolo, faca, o que tiver na frente ele taca. Não tem quem segure". O menino acrescentou detalhes, como a vez em que cortou o braço da irmã com gilete. A mãe: "Às vezes, é melhor acorrentar ali, do que ver mais tarde ele virar um bandido, um ladrão, um drogado. E você olhar na minha cara e falar que eu não criei meu filho, que eu não prestei para ser mãe". Detalhe: fora a corrente no pé, o menino não apresentava nenhum sinal de maus-tratos.
Foi assim que, em um dia, passamos da indignação pela violência dos pais à perplexidade (humilde) diante da tarefa impossível de educar.
Os pais têm razão: se o menino se tornasse ladrão e bandido, há sabichões que os acusariam. Os mesmos sabichões diriam, aliás, que, se os pais tiveram que acorrentar o menino, é porque eles fizeram algo muito errado --algo que comprometeu sua própria autoridade.
Adoraríamos que os sabichões tivessem razão. Saberíamos com certeza que o fracasso da autoridade depende da falta de amor e de cuidados: "Você não cuidou bem de seu filho? Pior para você: ele não te respeitará. Bem feito". Ou, então, o contrário (tanto faz, o que importa é fazer de conta que a gente saiba o que não dá certo): "Você sempre o mimou. Por preguiça ou pela vontade de vê-lo rindo como você nunca riu, você foi permissivo, e por isso ele nunca te respeitará".
Infelizmente, ninguém sabe o que faz que uma educação dê certo. E pais e filhos, perdidos (os primeiros no desespero e os segundos no desafio), acabam acreditando, um dia, como no caso do menino do Paraná, que o fundamento da autoridade e da rebeldia seja a força --eu te acorrento, e você vem com gilete.
Uma pesquisa famosa de Daniel Kahneman, em 2004 (http://migre.me/asSPV, para assinantes), constatou que criar filhos não é uma fonte de bem-estar. No melhor dos casos, criar filhos deixa uma lembrança boa (idealizada), mas é uma experiência dura e, às vezes, ruim. Na mesma linha, para Daniel Gilbert ("O Que nos Faz Felizes", Campus), os filhos e o dinheiro são as coisas das quais pensamos erroneamente que nos fariam felizes.
Uma recente pesquisa feita por M. Myrskylä (http://migre.me/as4jY) foi recebida com alívio porque mostra apenas isto: 1) depois da dureza e das crises dos primeiros meses do filho, os casais não desmoronam definitivamente na infelicidade, mas, aos poucos, eles voltam ao nível de bem-estar de quatro ou cinco anos antes de engravidar; 2) depois dos 40, os casais com filhos adultos estão um pouco melhor do que os que não tiveram filhos.
Seja como for, a criação dos filhos é uma experiência menos satisfatória do que todos queremos acreditar que seja.
O que foi? Será que, de repente, na modernidade, perdemos a mão, e ninguém sabe mais ser pai direito? Por que, na hora de educar, nossos avós pareciam se sair melhor do que a gente --com menos questionamentos e menos dramas?
É uma questão de expectativas: eles não esperavam nem um pouco que criar filhos lhes trouxesse a felicidade. E é uma questão de lugar: para eles, as crianças não eram o centro da vida dos adultos.

(*)Contardo Calligaris, italiano, é psicanalista, doutor em psicologia clínica e escritor. Ensinou Estudos Culturais na New School de NY e foi professor de antropologia médica na Universidade da Califórnia em Berkeley. Reflete sobre cultura, modernidade e as aventuras do espírito contemporâneo (patológicas e ordinárias). Escreve às quintas na versão impressa de "Ilustrada".

Anatel recebe 16 mil inscrições de voluntários no 1o dia do projeto que medirá qualidade da banda larga no país

Fonte:Portal Planalto

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) vai medir a velocidade da banda larga no Brasil com a ajuda dos usuários do serviço. Eles vão avaliar a qualidade das conexões atualmente oferecidas pelas operadoras com mais de 50 mil assinantes. Apenas no primeiro dia de inscrição, ontem quinta-feira (30), mais de 16 mil voluntários de todo o País se cadastraram para as 12.092 vagas da etapa inicial do Programa de Aferição da Qualidade, criado pela Anatel para este fim.

Atualmente, as operadoras com mais de 50 mil assinantes são Oi, Net, Telefônica/Vivo, Telefônica Data, Ajato Telecomunicações, GVT, CTBC Telecom, Embratel, Sercomtel e Cabo Telecom. A previsão é de que, a partir de outubro, essas operadoras entreguem uma conexão com velocidade média mensal mínima de 60% da velocidade vendida ao consumidor.

Esses percentuais terão de aumentar a cada ano e chegar à média mensal de 80% da velocidade contratada até 2014. Atualmente, a velocidade média entregue aos usuários fica em torno de 10% da contratada.

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

SESC/Campos


Em um dia como hoje...

No dia 30 de agosto de ano de 1956, foram captadas as primeiras imagens da Rede Tupy de Televisão (TV Tupi) em Campos.

"Cidade de Deus" completa 10 anos como marco do cinema nacional

Daniel Solyszko
Do UOL, de São Paulo

Em 30 de agosto de 2002, “Cidade de Deus” estreava nos cinemas brasileiros. Violência urbana e favelas já tinham sido mostradas inúmeras vezes no cinema nacional, mas o filme foi celebrado por trazer uma nova linguagem para as telas, deixando para trás tanto a pesada herança intelectual do Cinema Novo quanto o estilo mais apelativo do cinema popular dos anos 1970 e 1980.
O longa-metragem de Fernando Meirelles e Kátia Lund chamou a atenção de crítica e público por sua pegada pop, com uma montagem e uma fotografia que lembravam a estética da publicidade e dos videoclipes (os dois diretores tinham experiência nessa área), mas validadas por um roteiro consistente. Principalmente, era um filme cuja produção tinha um padrão de qualidade internacional.
O filme acabaria lucrando US$ 30 milhões internacionalmente e quatro indicações para o Oscar, incluindo melhor direção e roteiro adaptado.
O livro de Paulo Lins no qual o filme foi baseado havia sido lançado em 1997 com bastante sucesso pela Companhia das Letras.

Servidores da área de Cultura protestam no Rio

Servidores federais da área de cultura se caracterizaram como personagens de peças de Nelson Rodrigues e promoveram manifestação para protestar contra o abandono do setor, ontem à tarde, no centro do Rio.
Os funcionários, que não estão em greve, cobram o cumprimento de acordos salariais e de planos de cargos firmados com o governo federal em 2007 e 2011. Os reajustes pedidos chegam a 78%.
O protesto reuniu cerca de 100 pessoas em frente ao Teatro Glauce Rocha, onde há uma exposição e uma mostra de peças em comemoração ao centenário de Nelson Rodrigues. Outras faixas também faziam referências a obras do escritor. "Cultura: A Falecida!", "Toda a nudez será castigada. Cultura está descamisada".
O objetivo dos servidores da cultura é chamar a atenção com protestos temáticos. Na semana passada, eles fizeram outro ato em frente ao Museu da República, no Catete, antiga sede da Presidência da República, onde o então presidente Getúlio Vargas se matou em 24 de agosto de 1954.
Na manifestação, os funcionários usavam pijamas similares ao de Vargas.

Fonte:Agência do Estado

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Olhar sobre o cotidiano

                                                                Foto:walnize carvalho

Ao fotografar hoje, pela manhã esta imagem, lembrei-me das palavras de D.Hélder Câmara:“Quando houver contraste entre a tua alegria e um céu cinzento, ou entre a tua tristeza e um céu em festa, bendiz o desencontro, que é um aviso divino de que o mundo não começa nem acaba em ti”.

VW comemora 55 anos de Kombi no Brasil

Utilitário fabricado em São Bernardo do Campo (SP) também ultrapassou a marca de 1,5 milhão de unidades produzidas


Do IG

Quem diria... No próximo dia 2 de setembro, a Volkswagen comemora 55 anos de produção da Kombi no Brasil. De acordo com a marca, desde que foi lançada, em 1957, já foram montados mais de 1,5 milhão de unidades do modelo no País.

A Kombi nunca perdeu a liderança de sua categoria. No acumulado de janeiro a julho deste ano, por exemplo, registrou 14.905 unidades emplacadas (detendo 39,4% do segmento), o que representa crescimento de mais de 4% em relação ao mesmo período de 2011 – bom resultado no cenário da indústria de comerciais leves, que registrou queda de 1,4% no acumulado dos sete primeiros meses de 2012 contra o mesmo período de 2011. O furgão é o quinto carro mais vendido da Volkswagen em 2012 e o oitavo entre os comerciais leves.
História
A Kombi foi idealizada pelo holandês Ben Pon na década de 1940, que pretendia incluir o confiável conjunto mecânico do Fusca em um veículo leve de carga. A produção do modelo começou na Alemanha em 1950. O destaque era a carroceria monobloco, a suspensão reforçada e o motor traseiro, refrigerado a ar, de 25 cv.

Reminiscências de um blogueiro distante


Fora de Campos há cerca de 5 meses, venho acompanhando um pouco da zorra que é a política local, pela internet e testemunhos de amigos que criei por aí.
Dois fatos me chamaram maior atenção:

1- O ex-prefeito Alexandre Mocaiber, humilhado várias vezes publicamente pelo deputado-marido, agora faz parte da turma rosa cheque, ops...choque, inclusive pedindo voto para a prefeita ontem no horário político, como me relatou minha amiga Sandrinha, que quase caiu da cadeira onde lanchava ao ver a cena.

2- Na época em que aí morava e acompanhava mais de perto essa bagunça, vi e ouvi, inclusive em sessões da Câmara, o nobre vereador Marcos Bacellar detonar o casal 22. Pois não é que agora ele não só desistiu da reeleição, como ainda está a apoiar um dos candidatos mais ligados ao casal???

Sei lá... Tem horas que preferia estar bêbado. Assim ficaria mais fácil entender certas coisinhas. Mas como estou proibido, fico de longe lamentando que a cidade que me acolheu tão bem continue com políticos tão ....... Melhor parar por aqui.

Uma última dúvida, e que fica para a reflexão dos nobres leitores deste respeitável blog:

Se a turma rosa bateu tanto na tecla do voto do Arnaldo não ser válido na última eleição, o voto na Rosinha vai valer, desta vez???

Sociedade Saúde




A nutrição pode melhorar a qualidade do DNA em esperma de homens mais velhos. A conclusão é do Laboratório Nacional Lawrence Berkeley, na Califórnia. O estudo associa a ingestão de micronutrientes saudáveis com a menor fragmentação do genoma. Com isso, as chances da produção de um filho com problemas genéticos podem ser menores.
Em uma análise de 80 voluntários saudáveis do sexo masculino, entre 22 e 80 anos, os cientistas descobiram que as pessoas com mais de 44 que passaram a consumir mais vitamina C tiveram 20% a menos de danos no DNA do esperma em comparação com outras da mesma faixa etária que não mudaram a nutrição. O mesmo ocorreu em relação à ingestão de vitamina E, zinco e ácido fólico.
— Parece que o maior consumo de micronutrientes ajuda a voltar o relógio em homens mais velhos. Em alguns casos passaram a apresentar uma quantidade similar de danos no DNA no esperma ao de pessoas mais jovens — diz Andy Wyrobek, autor da pesquisa. — Isso significa que é possível, sim, fazer algo para solucionar o problema, seja através de dietas ou suplementos.
Pesquisa anterior realizada em laboratório já havia mostrado que quanto mais velho um homem, mais chances havia de uma maior fragmentação do DNA no esperma, assim como mutações de genes específicos, como os que levam ao nanismo. Os resultados ajudam a explicar por que os homens idosos são menos férteis e mais propensos a produzirem filhos com problemas genéticos.

Fonte: O Globo

Transformando chiclete mascado em matéria prima


Do:atitudesustentavel.uol.com.br

Osvaldo Leonel Júnior, estudante de química, desenvolveu uma maneira de reutilizar chicletes já mascados, que se torna um dos componentes de uma resina. O novo material se chama Ecogoma e pode ser uma das soluções para dar uma destinação correta para esse material.
“Após o processamento da goma e transformação, o produto final tem as mesmas características de outro polímero comercial, podendo ser injetado, laminado ou fazer parte de compostos que necessitem das características do polímero, desta forma sua utilização se torna bastante abrangente”, conta Osvaldo, sobre as possíveis utilizações do material.
Osvaldo, que estuda na Faculdade Integradas Regionais de Avaré, em São Paulo, começou a iniciativa com objetivos acadêmicos (sob orientação dos professores Fernando Lanfredi e Otavio Augusto Martins), mas como também é sócio da empresa Ecological Plásticos, conseguiu colocar em prática a produção do composto. A ação é feita em parceria com a TerraCycle, que, além de ter sugerido a proposta de reutilização, fica responsável pelo processo de logística reversa.

Para ser reutilizado, o material passa primeiro por um processo de triagem, que separa a goma de mascar de outras substâncias. Depois, passa pelos processos de descontaminação química e física. O material é então aditivado, recebendo outras substâncias para formar a resina final. A empresa tem a capacidade de produção de 40 toneladas de Ecogoma por mês.


Dia de Combate ao Fumo reacende discussões sobre regulamentação de lei

Da:Agência Brasil

O Dia Nacional de Combate ao Fumo, comemorado hoje (29), reacende as discussões sobre a regulamentação da Lei Antifumo - que proíbe a prática em lugares fechados - e a necessidade de conscientização quanto às doenças relacionadas ao tabaco.

O governo federal arrecadou, em impostos, com a venda de cigarros, R$ 6,3 bilhões em 2011. Em 2012, até julho, já haviam sido arrecadados R$ 3,4 bilhões.




Chico Alencar em Campos



Legal mesmo é saber que o Chico Alencar, deputado federal pelo PSOL, vai estar em Campos no dia 14 de setembro para dar uma força na campanha do Erik Schunk.
Pena que não moro mais aí. Senão ia lá dar um abraço no meu deputado. 


Lula no programa de Makhoul


Lula resolveu aparecer na campanha de Mackoul. Pelo menos é o que informa Lauro Jardim, jornalista da Veja, em seu blog Radar On-line:

Lula versus Garotinho

Lula em Campos

Lula grava nos próximos dias um depoimento pedindo voto para o petista Dr. Makhoul, candidato à prefeitura de Campos, onde disputa contra Rosinha Garotinho. Dr. Makhoul é apoiado também por Sérgio Cabral.




Resta saber se a aparição vai dar resultado. Mesmo não morando mais em Campos, tô sabendo que a eleição, salvo alguma interferência da justiça eleitoral, caminha para uma vitória tranquila da turma rosa cheque.
Fim de semana passado estive em Cabo Frio e vi Lula na tv pedindo voto para o Jânio Mendes, candidato do PDT. Até estranhei quando soube que, até então, ele não aparecia no programa do PT em Campos. Mas pelo jeito, a coisa vai mudar.

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Em tempos de horário eleitoral, aumenta a procura pela tv por assinatura

 Charge do Amarildo, que, coincidentemente, postamos aqui ontem.

Está lá no blog de Lauro Jardim:

O telespectador está cada vez mais buscando a TV por assinatura para fugir dos arrastados programas eleitorais. Segundo o Ibope, na Grande São Paulo a primeira semana da propaganda na TV teve audiência pior do que a alcançada em 2008, ano da última eleição municipal. Os números, apesar da queda, continuam altos e revelam a importância para os candidatos da exposição na TV.
Há quatro anos, a média de audiência dos programas eleitorais nas cinco principais emissoras do país atingiu 41,3 pontos e a categoria Outros Canais alcançou a marca de 8,7 pontos. Este ano, o interesse pelas propostas dos nossos políticos caiu – o Ibope registrou 39,1 pontos na soma das emissoras e os telespectadores que buscaram opções em canais fechados atingiram 6,2 pontos.
De tarde, os números são menores. De 2008 para cá, a audiência dos programas eleitorais na primeira semana caiu de 22 para 18,7 pontos no Ibope. Já o índice Outros Canais subiu de 5,2 para 6,2 pontos no mesmo período.

Faça uma horta e não a guerra

Artista transforma antigo avião militar em estufa, exibida em meio a uma praça da Filadélfia, nos Estados Unidos. As ervas e vegetais que crescem ali servem de alimento para famílias carentes
Do: Casa e Jardim Online

O que antes servia para atacar exércitos em guerra ganhou funções pacíficas. O artista americano Jordan Griska transformou um avião militar em uma estufa que, além de servir como uma instalação artística, ainda abriga ervas e vegetais destinados à mesa de famílias carentes. Exibida na Lenfest Plaza, na Filadélfia, a obra de arte foi batizada de Grumman Greenhouse.
Os alimentos que crescem dentro da estufa vão direto para a City Harvest, associação que ajuda a alimentar pessoas de baixa renda que vivem perto dali. “O que a minha geração vai fazer com todas essas peças depois do período de guerras? Qual é o nosso papel nisso?”, pergunta-se Griska. “Para mim, o ideal é tentar dar uma interpretação positiva, seguir em frente e cultivar alguma coisa para a sociedade”, responde.

Sociedade Saúde




Um estudo sobre o efeito do uso de drogas por longo prazo mostra que aqueles que começaram a utilizar maconha quando adolescentes podem chegar à meia-idade com uma deficiência de oito pontos no QI (quociente de inteligência) se comparado aos não usuários.
A pesquisadora Madeline Meier, da Universidade Duke, nos Estados Unidos, utilizou como base um estudo que acompanhou mil pessoas em Dunedin, Nova Zelândia, desde o nascimento até os 38 anos de idade. Os dados permitiram comparar os teste de QI feitos com os participantes na idade dos 13 — antes do uso de maconha — com os testes de QI quando adultos; em alguns casos, depois de anos de uso da droga.
O estudo mostrou que aqueles que desenvolveram uma dependência da droga apresentaram maior declínio de QI, perdendo seis pontos na média, independentemente do quão cedo o hábito começou. Dentro desse grupo, aqueles que começaram a usar a droga antes de seu aniversário de 18 anos apresentaram um declínio subsequente de 8 pontos em média no QI.
Além disso, amigos e parentes próximos dos usuários de maconha informaram que eles tiveram problemas cada vez mais frequentes de memória e de atenção. Segundo os pesquisadores, o dano não parece ser reversível depois de os usuários deixarem o hábito. Mas eles afirmam que quando o uso da maconha começa após o 18º aniversário, os danos são menores.
— Este estudo é o primeiro a oferecer evidências de que a maconha provoca, de facto, efeitos neurotóxicos em cérebros jovens — diz Meier.

Fonte: O Globo

III Congresso de Dança começa nesta terça na Praça São Salvador

.

O evento abre espaço para debater e divulgar a dança

Fonte:Ururau

O evento que abre espaço para debater e divulgar a dança inicia, nesta terça-feira (28), sua terceira edição
O III Congresso de Dança, promovido pela Fundação Trianon, terá âmbito nacional. A abertura das atividades acontece na Praça do Santíssimo Salvador, a partir das 16h, reunindo diversas academias de Campos.
Inscrições – Os interessados em participar do III Congresso de Dança podem acessar o site www.congressodedancacampos.com.br para fazer a inscrição, conhecer os palestrantes e todos os detalhes da vasta programação que começa nesta quarta-feira (29) e termina no domingo (2), no Teatro Trianon.
Academias participantes do Encontro de Abertura:

Cia São Paulo
Atetier Coreográfico Arte e Dança
Academia Flexus
Movimento Studio de Dança
Academia Dance
Coreografo Jules Perrot
Academia Bullet Danças
Escola Técnica de Dança Madeleine Rosay
Cia de Dança Afacema
Projeto Espaço Criança Feliz
Escola de Ballet Salesiano
Movimento Studio de Dança
Escola de Dança do Auxiliadora
Curso Livre de dança do Teatro Trianon
Grupo Shekinah
Núcleo Dançar
Academia Flexus
Grupo Fitdança (ISEPAM)
Lar Fabiano de Cristo
Grupo Uniard
Escola de Dança Ronaldo Vasconcelos
Cia de dança FJ
Escola de Dança João Paulo II
Academia Corpo e Energia
Grupo Black Wave
Carruagem Cia. de Dança Vanessa Cabral
Casa de dança Beatriz Petrucci
Cia. de Salão Alessandra Costa
Núcleo de artes Orí

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Walnize foi parar no Ururau

Nossa colega editora Walnize Carvalho foi parar no site Ururau. Quer saber o motivo? clique aqui.

Sociedade Ciência



É possível aprender enquanto dorme? Um estudo do Instituto Weizmann mostra que se certos cheiros e barulhos rodearem um indivíduo durante o sono, este começará a suspirar se ouvir o mesmo som outras vezes (mesmo sem o odor que geraria a reação), esteja dormindo ou acordado. As pessoas podem, portanto, guardar informações durante o período, o que afeta o comportamento, mesmo inconscientemente.
Durante os testes, as pessoas dormiam em um laboratório especial onde o estado do sono era constantemente monitorado. Se acordassem durante os exames, mesmo que por um momento, eram desqualificadas. Durante o período, um som era exposto, seguido imediatamente de um odor, agradável ou não. Então um outro som era tocado, seguido por um odor oposto ao anterior (se era um cheiro bom, colocava-se um cheiro ruim, e vice-versa).
Durante a noite, várias combinações eram usadas. Os voluntários passavam a reagir aos barulhos mesmo sem um odor logo após, dando longos suspiros. No dia seguinte, as pessoas, já acordadas, ouviam os sons mais uma vez, sem o cheiro que viria após. Apesar de não terem noção do que se passou com elas enquanto dormiam, também passavam a suspirar constantemente.
A junção do som e do odor tem certas vantagens. Nenhum dos sentidos pode acordar o indivíduo, mas pode gerar reações do cérebro. O odor ainda pode gerar um tipo de comunicação não verbal, que é o suspiro. Neste caso, durante a soneca ocorre o mesmo que geralmente ocorre quando a pessoa está acordada. Inspira-se cheiros agradáveis e se suspende a inalação com um cheiro ruim.
Testes sobre aprendizagem no sono são notoriamente difíceis de serem realizados. O pesquisador precisa ter certeza de que o objeto de estudo realmente dorme e não vai acordar durante os testes. Testes para averiguar o ensino verbal neste período, por exemplo, nunca conseguiram chegar a um resultado conclusivo. A falta de dados concretos tem frustrado cientistas que defendem a importância do sono para consolidação do aprendizado.

Fonte: O Globo

Esta é a realidade da África do Sul dois anos depois da Copa

Um trecho de uma interessante matéria do Portal IG sobre a situação da África do Sul, dois anos após a festejada Copa do Mundo no país:

A África do Sul é um país que padece em aparente tranquilidade. Do alto e em áreas restritas, cidades como Johanesburgo parecem tão ricas e seguras quanto algumas metrópoles europeias. Da janela do avião, na aproximação para aterrissagem no aeroporto de OR Tambo, é possível identificar um mosaico de condomínios que se estende até o horizonte, onde casas de várias águas, com quintais amplos e piscinas, se intercalam em ruas arborizadas. Shoppings centers oferecem grifes de todas as partes do mundo. E tudo é interligado por largas avenidas.

É só eventualmente, em episódios como a morte de 34 mineiros pela polícia , na mina de platina da Lonmin, em Marikana, que a ponta mais visível da encruzilhada que vive a África do Sul atravessa essa redoma. Encaminhada a questão racial, o país precisa encontrar um modelo de desenvolvimento que reduza rapidamente o desemprego e o abismo que separa ricos de pobres. Dois anos após a Copa do Mundo e a conclusão de projetos bilionários, justificados pelos ganhos econômicos que deveriam gerar no longo prazo, os sul-africanos estão diante dos mesmos problemas de antes. Mas em clima político mais instável.

O modelo de desenvolvimento econômico atual tem funcionado pouco para reduzir a pressão social. Encravada no extremo sul do continente e afastada milhares de quilômetros de qualquer um dos grandes mercados mundiais, após o fim dos embargos econômicos impostos nos tempos do apartheid a África do Sul virou uma economia basicamente exportadora de commodities minerais e agrícolas, como ouro, platina e açúcar.

Acordos de livre comércio com os Estados Unidos e a Europa também ajudaram o país a atrair grandes montadoras, que continuam a chegar e devem produzir este ano no país cerca de 600 mil automóveis. Tudo somado, foi suficiente para garantir crescimento médio de quase 4% ao ano do PIB – que quase triplicou no período, para US$ 363,9 bilhões – e passaporte para os Brics (sigla que originalmente identificava o grupo dos principais países emergentes, formado por Brasil, Rússia, Índia e China). Mas não para reduzir a pressão social deixada pelo regime segregacionista em um país onde convivem mais de uma dezena de etnias.
A África do Sul tem hoje um déficit de milhões de empregos e o desaquecimento da economia mundial traz más perspectivas para o futuro, como o governo admite. “O preço das commodities é muito volátil e não permite um crescimento sustentável”, diz Lionel October, diretor-geral do departamento de comércio e indústria do governo.

O índice de desemprego se encontra na casa dos 25% da população. Em algumas áreas onde a concentração de pobres e negros é maior, como em Soweto, centro nevrálgico da resistência ao apartheid, o percentual chega a 48%. Pelo critério de desigualdade de renda (coeficiente Gini), o país só perde para a Namíbia, em um ranking com 136 países no qual o Brasil é o 16º.
Apesar de o desemprego ser mais evidente entre a população negra, a redução da desigualdade social se tornou uma questão que vai além da histórica divisão racial. Hoje, milhares vivem em casas confortáveis, frequentam as mesmas escolas que os brancos e desfilam sacolas em shoppings das grandes cidades. Em cargos governamentais são maioria em diversos escalões. Mas faltam empregos para milhares de outros.

Infraestrutura da Copa
Há poucos anos, o anúncio de grandes projetos de infraestrutura para a Copa e o evento em si geraram expectativa de mudanças. Além dos postos de trabalho imediatos, a nova infraestrutura deveria fortalecer a economia no longo prazo. Estradas foram de fato alargadas; há mais opções de transporte coletivo, como corredores de ônibus e trens urbanos, e os aeroportos agora são eficientes e têm capacidade de folga.

 
Fotos:Dubes Sônego
 
O bairro de Soweto, em Johanesburgo, abriga cerca de 1,8 milhões dos 4,8 milhões de habitantes da cidade e tem 50% de desempregados.

Mas nem tudo deu tão certo. Os estádios, que custaram bilhões e têm alto custo de manutenção, estão subutilizados e o turismo não deslanchou como poderia, principalmente por motivos externos. Segundo dados do governo, depois de crescer 15,1% no ano da Copa, em 2011 a atividade desacelerou e teve alta de 3%, para 8,3 milhões de visitantes estrangeiros. “Neste ano, o movimento está voltando. Mas o ano passado foi muito ruim”, afirma Alexei Harris, há nove anos guia de turismo na Cidade do Cabo. “Em boa parte por causa da crise econômica na Europa”.

A violência também atrapalha. De perto, os condomínios têm muros altos, reforçados por arames farpados, e muitas ruas precisam ser patrulhadas por seguranças privados. Na Long Street, centro da vida noturna na cidade do Cabo, é possível identificá-los pelos coletes fosforescentes, com a inscrição “Public Safety”. Alguns albergues e hotéis têm os próprios seguranças 24horas na porta. Em Johanesburgo, apesar dos esforços de revitalização da área central iniciados pelo governo local, poucos se sentem confortáveis de sugerir a um turista que visite a área sozinho.
Quem vive no país admite o problema, mas costuma minimizá-lo alegando que é uma questão de saber por onde andar, “como em qualquer lugar”. Mas as estatísticas sugerem precaução. A África do Sul tem o maior índice de mortes por habitantes do mundo. São 17,3 para cada mil.
 
 
Durban, na costa leste do país, banhada pelo Oceano Índico, é sede das principais indústrias automobilísticas no país e do segundo maior porto da África.

A fama faz com que turistas de primeira viagem, assim como acontece com o Brasil, se surpreendam quando não se sentem ameaçados. “Foi muito mais tranquilo do que imaginávamos”, afirma a espanhola Ane Goitia, que na terça-feira encerrou uma viagem de quase um mês por várias cidades do país, na companhia da amiga Eider Goiburce.
A Copa também não resolveu a precária infraestrutura de comunicação do país, deficiente mesmo se comparada à do Brasil. Acessar a internet em hotéis de luxo por uma hora pode custar na moeda local o equivalente a R$ 30. E o preço salgado não garante velocidade nem estabilidade. Abrir um vídeo no Youtube ou baixar arquivos são tarefas praticamente impossíveis. Mesmo o acesso a sites de e-mail exige paciência.

Para ler o restante da matéria, clique aqui

Em um futuro próximo

Cientistas alemães criam papel que fala e canta
Do:IG
Uma invenção revolucionária foi desenvolvida por pesquisadores do Instituto de Impressão e Mídia Tecnológica da Universidade de Chemnitz, na Alemanha.
Segundo cientistas, em um futuro próximo, poderemos ter em nossas mãos, um jornal, um livro ou uma revista com som.

Sobre o assunto:

Em entrevista exclusiva para o Terra, o autor fala sobre o processo de produção da biografia e sobre a personalidade fascinante que o levou à máquina de escrever.

Terra - No início do livro, o senhor descreve Einstein como um personagem paradoxal, alguém que personifica muitas contradições. Como essa personalidade aparece em seu relacionamento com as pessoas e nos seus estudos sobre Física?

Jürgen Neffe - Não são todas as pessoas cheias de contradições? Para mim, era uma questão de "relativizar" Einstein, de representá-lo como um homem entre os homens, não como um semideus. No livro, eu mostro também o seu lado escuro: o seu comportamento normalmente pouco correto e justo para com os colegas, os seus pensamentos que tomaram caminhos errados. Mas, principalmente, suas fraquezas pessoais na maneira de lidar com sua mulher e, até mesmo, com seus dois filhos.

Terra - Como o senhor chegou às informações publicadas no livro?

Neffe - Principalmente através de arquivos, como a Coleção de Artigos de Albert Einstein (original de Jerusalém, com cópia completa em Pasadena, Califórnia), mas também por meio de coleção de jornais da época, documentos de universidades e institutos científicos, como a Sociedade Max-Planck e o Instituto de Estudos Avançados em Princeton. Também usei livros sobre Einstein, em particular, obras antigas e biografias esquecidas sobre ele. Foi preciso, é claro, fazer muitas entrevistas e visitas a lugares de sua vida para montar parte da narrativa do livro.

Terra - Qual foi a descoberta que o senhor considerou mais interessante sobre a vida de Einstein?

Neffe - Ver o que sua vida e seu trabalho significam para o nosso tempo. O porquê de ele ter se sobressaído como pesquisador na área das ciências exatas. Enfim, como o mito surgiu e se modificou.

Terra - Alguma informação descoberta pelo senhor mudou sua ideia sobre ele?

Neffe - Eu diria que mudou minha visão em duas direções. O meu conceito sobre ele como cientista melhorou durante o meu trabalho, enquanto o sobre a sua personalidade se tornou pior.

Terra - Existem muitos mitos sobre Albert Einstein. Um deles diz que ele era um mau aluno, que rodava em provas de matemática e brigava com professores. Outro que era muito religioso. Quais dessas afirmações eram verdadeiras e quais são apenas lendas?


Neffe - Existem tantos que eu temo que você precisará ler meu livro. Aqui estão alguns:
Ele era um estudante ruim apenas em esportes. Ele era brilhante em física e muito bom em matemática. Como esperado.
Oh, sim, ele discutiu com seu professor e finalmente se sentiu forçado a deixar a escola em Munique e terminar os estudos na Suíça.
Ele não era religioso no completo sentido de pertencer ao judaísmo. Ele não seguia nenhum rito e ritual e era criticamente engajado no que chamou de tribo judaica - fora da comunidade religiosa.
Ele não usava meias.
Ele não inventou a bomba atômica.
Ele era um ser humano com um cérebro como o de muitos outros.
Sua mulher não inventou a relatividade - mas como física, ela ajudou um pouco.
Ele não era vegetariano, ele amava carne - e morangos.
Ele tinha noção de seu engraçado corte de cabelo, até o preparava antes de ser fotografado e usava a imagem para ajudar seu mito a se propagar.

Nova biografia mostra lado 'escuro' de Einstein

Do:JB online

Albert Einstein já teve seu nome como título de obras biográficas, porém poucas focaram em sua personalidade paradoxal e polêmica. Desprezo pelo sexo feminino, comportamento injusto com seus colegas de trabalho, erros de cálculo, falta de empatia pelos próprios filhos. Estes são alguns dos fatos revelados pelo físico e biológo alemão Jürgen Neffe em Einstein - uma biografia, pela Novo Século.
Segredos e paixões antes desconhecidos pelo público aparecem nas 528 páginas da obra lançada em 2005 e traduzida recentemente para o português.

Na biografia inédita no Brasil até este ano, Neffe procura apresentar o Einstein que existiu por trás dos números e das teorias físicas. O pai da Teoria Geral da Relatividade é apresentado como um ser humano em meio a tantos outros e não como um alguém acima de todos.

Pior que tá....

Do blog de Lauro Jardim:

"Um ano e oito meses após ter pisado na Câmara para descobrir o que faz um deputado, Tiririca, veja só, está em plena crise de identidade.
Na semana passada, ele desabafava com sua colega Jaqueline Roriz, no fundo do plenário da Câmara, e dizia que iria procurar a Record para tentar encontrar uma forma de voltar para a TV.
Tiririca acha que “foi engolido” pela Câmara, virou apenas mais um no parlamento e acabou refém do anonimato. Ele precisa aparecer. Tadinho do Tiririca."

domingo, 26 de agosto de 2012

O País traído



Por Mino Carta


Em São Paulo, tempos ásperos. Leio: uma residência particular é assaltada a cada hora, o roubo de carros multiplica-se nos estacionamentos dos shopping centers. Entre parênteses, recantos deslumbrantes, alguns são os mais imponentes e ricos do mundo. Que se curva. Um jornalão, na prática samaritana do serviço aos leitores, fornece um receituário destinado a abrandar o risco. Reforce as fechaduras, instale um sistema de alarme etc. etc.
Em vão esperemos por algo mais, a reflexão séria de algum órgão midiático, ou de um solitário editorialista, colunista, articulista, a respeito das enésimas provas da inexorável progressão da criminalidade. Diga-se que uma análise honesta não exige esforço desumano, muito pelo contrário.
Enquanto as metrópoles nacionais figuram entre as mais violentas do mundo, acima de 50 mil brasileiros são assassinados anualmente, e um relatório divulgado esta semana pelas Nações Unidas coloca o Brasil em quarto lugar na classificação dos mais desiguais da América Latina, precedido por Guatemala, Honduras e Colômbia. O documento informa que 28% da população brasileira mora em favelas, sem contar quem vive nos inúmeros grotões do País.
Vale acrescentar que mais de 60% do nosso território não é alcançado pelo saneamento básico. Ou sublinhar a precariedade da saúde pública e do nosso ensino em geral. Dispomos de uma cornucópia maligna de dados terrificantes. Em contrapartida, capitais brasileiros refugiados em paraísos fiscais somam uma extravasante importância que coloca os graúdos nativos em quarto lugar entre os maiores evasores globais.
É do conhecimento até do mundo mineral que o desequilíbrio social é o maior problema do País. Dele decorrem os demais. Entrave fatal para o exercício de um capitalismo razoavelmente saudável. E evitemos tocar na tecla do desenvolvimento democrático. Mas quantos não se conformam? Não serão, decerto, os ricos em bilhões, e a turma dos aspirantes, cada vez mais ostensivos na exibição de seu poder de compra e de seu mau gosto. Não serão os profissionais da política, sempre que não soe a hora da retórica. Não será a mídia, concentrada no ataque a tudo que se faça em odor de PT, ou em nome da igualdade e da justiça.
Nada de espantos, o Brasil ainda vive a dicotomia casa-grande–senzala. CartaCapital e especificamente o acima assinado queixam-se com frequência do silêncio da mídia diante de situações escusas, de denúncias bem fundamentadas, de provas irrefutáveis de mazelas sem conta. Penso no assunto, para chegar à conclusão de que há algo pior. Bem pior. Trata-se da insensibilidade diante da desgraça, da miséria, do atraso. Da traição cometida contra o País que alguns canalhas chamam de pátria.
Exemplo recentíssimo. Há quem lamente os resultados relativamente medíocres dos atletas brasileiros nas Olimpíadas de Londres. Parece-me, porém, que ninguém se perguntou por que um povo tão miscigenado, a contar nas competições esportivas inclusive com a potência e a flexibilidade da fibra longa da raça negra, não consegue os mesmos resultados alcançados em primeiro lugar pelos Estados Unidos. Ou pela Jamaica. Responder a este por que é tão simples quanto a tudo o mais. O Brasil não é o que merece ser, e está muito longe de ser, por causa de tanto descaso, de tanto egoísmo, de tanta ferocidade. De tanta incompetência dos senhores da casa-grande. Carregamos a infelicidade da maioria como a bola de ferro atada aos pés do convicto.
Mesmo o remediado não se incomoda se um mercado persa se estabelece em cada esquina. Basta erguer os vidros do carro e travar as portas. Outros nem precisam disso, sua carruagem relampejante é blindada. Ou dispõem de helicóptero. Impávidos, levantam seus prédios como torres de castelos medievais e das alturas contemplam impassíveis os casebres dos servos da gleba espalhados abaixo. A dita classe média acostumou-se com os panoramas da miséria, com a inestimável contribuição da mídia e das suas invenções, omissões, mentiras. E silêncios.
Às vezes me ocorre a possibilidade, condescendente, de que a insensibilidade seja o fruto carnudo da burrice.

Tudo Passa

Cem+ uma semana...




O “Amor é azulzinho”... e branco

Walnize Carvalho

Foi cantarolando os versos da canção “Azul” de Djavan, que inicia assim: “Eu não sei/Se vem de Deus/Do céu ficar azul/Ou virá/Dos olhos teus/Essa cor/Que azuleja o dia...”e que termina assim:“Corre e vá dizer/ Pro meu benzinho/que o amor é azulzinho”...que tentava disfarçar a inquietude, pela promessa que fiz ,na semana passada, ao um leitor (o amigo Zezinho taxista), de escrever sobre o Goytacaz,que no último dia 20,comemorou a chegada do seu centenário.
E assim... dirigi - me a janela do meu apartamento (na rua do Gás) e olhei para o céu buscando inspiração.A Natureza como a colaborar, tingiu a tela celestial de um límpido azul ,onde nuvens brancas davam o toque final.Um sinal mais do que claro,de que poderia discorrer (ao meu jeito)sobre o alvianil. Digo - ao meu jeito - pois, depois de uma semana inteira de comemorações, onde se tomou conhecimento da vasta programação: Exposição de fotos, troféus e matérias jornalísticas; concurso de frases; passeata; missa e culto ecumênico ; saudação emocionante ao Clube feita pela banda da Polícia Militar logo pela manhã do dia 20 e mais o histórico do “mais querido” ter sido enaltecido em jornais, na internet, no Rádio e TV quase nada sobrou para falar...
Mesmo assim, na janela fiquei olhando o firmamento. De repente, minha memória afetiva reprisa cenas (um autêntico replay) e me joga em infância distante: me vejo em criança espiando a rua (sobre a mesa da alfaiataria do meu pai) debruçada no janelão, observando o passar de torcedores rumo ao Estádio,já que naquela época “meninas não iam a campo de futebol”...O que não diminuíam o orgulho e o prazer de dizer “que morava na rua em que tinha o estádio da cidade” e de que propagar “Sou Goytacaz até morrer” a cada vez que ouvia o hino do time na voz vibrante do grande cantor Zé Barbosa...
Entrando já no “segundo tempo” de minha crônica, não dá para deixar de repassar minhas parcas informações: o Goyta (carinhosamente chamado) sempre foi, mais do que uma agremiação esportiva, uma referência em nossa cidade.
Como bom guerreiro tem lutado. Tanto colecionando vitórias ou contabilizando derrotas, nada consegue apagar a estrela de seu currículo.
Celeiro de grandes atletas, por lá passaram Didi e Amarildo, que jogaram no Botafogo, na Seleção Brasileira e no Exterior: o primeiro no Real Madri e o segundo no Fiorentina”.
Como é do conhecimento de muitos, o ator global e filho da terra - Tonico Pereira- no programa “A Grande família” não esconde sua paixão alvinil.
Ah! e mais... de que há -atualmente- torcida feminina organizada...
Parei de escrever. Voltei à janela. Fui surpreendida pela passagem de um trio elétrico que arrastava torcedores a pé, de bicicletas e carros.
Animação, paixão, suor, alegria, descontração misturados a bandeiras, bolas, camisas, espocar de fogos. Tudo azul e branco como se de repente o céu descesse para o asfalto.
Uma festa para o campista, aplaudir, reverenciar e se orgulhar deste Patrimônio de nossa terra.
De tudo, a mais pura constatação: torcedores famosos ou anônimos nutrem um Amor incondicional pelo Goytacaz Futebol Clube e que me levar a acreditar de que: “O amor é azulzinho...e branco!

Suavizando a manhã de domingo

Coisas desse mundão de Deus

Edifício de luxo em Cingapura tem garagem na sala
Do:ig

Um edifício de luxo em Cingapura oferece uma solução aos moradores que não gostam de desgrudar olhos de seus automóveis e que querem sempre ficar atentos aos seus carros.
Todos os apartamentos do prédio dispõem de um elevador que conduz os veículos até um estacionamento, situado ao lado da sala de estar.
Mas quem quiser desfrutar do conforto, terá que desembolsar uma bela quantia. O preço médio de cada apartamento gira em torno de US$ 7,5 milhões (cerca de R$ 15 milhões).

sábado, 25 de agosto de 2012

Declaração de amor- Martha Medeiros



Declaração de amor funciona.
Não é varinha de condão, não faz mágica, mas jamais passa despercebida.
Todo mundo, não importa a idade, o sexo ou o estado civil, quer ser amado.
Podemos até já ser muito amados, mas queremos mais.
Mas mesmo quando a gente desperta o interesse em quem não nos atrai, ainda assim isso mexe favoravelmente com nosso ego. E esta pessoa deixa de ser um ninguém.
Um cara ou uma garota chega perto de você e diz com todas as letras
que você é a pessoa mais importante da vida dela,
que te ama pra caramba e pede para que,
se você um dia achar possível retribuir esse sentimento, mande avisar.
Vira as costas e vai embora. Cacilda. Você só vai debochar dessa criatura se for muito tosco.
Se você o achava um idiota, pense duas vezes: este idiota se amarrou em você,
então não deve ser tão idiota assim.
Apaixonou-se? Declare-se.
Pode dar em nada, mas garanto que você vai ficar na cabeça de alguém
o tempo necessário para ele considerar a hipótese.

Criatividade nota 10!!!


Tombamento Abstrato

Walnize Carvalho

Já é do conhecimento de alguns (talvez poucos não estejam informados) da existência de Tombamento de Bens Imateriais.
Vários tópicos caracterizam este Tombamento, dos quais enumero alguns: modos enraizados no cotidiano das comunidades; rituais e festas que marcam a vivência coletiva do trabalho, da religiosidade, do entretenimento e de outras práticas da vida social; bem como lugares: mercados, feiras, santuários, praças...”
O Brasil possui manifestações culturais registradas como Patrimônio Imaterial. Destaco algumas delas: Jongo no Sudeste, Roda de Capoeira, Tambor de Crioula do Maranhão, Círio de Nazaré, Baianas de Acarajé, Frevo, Feira de Caruaru, Toque dos Sinos de Minas Gerais... em nosso Município destaque para: comidas típicas, literatura, artesanato e folclore...
Li, recentemente, que “ a prefeitura do Rio de Janeiro junto ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional ( IPHAN) têm tombado dúzias de eventos na cidade como por exemplo: o partido alto,a Banda de Ipanema...como bens imateriais.
O jornalista carioca e cronista Joaquim Ferreira dos Santos, em recente crônica, intitulada: “Tombe-se” fez a lista de suas prioridades para a eternidade imaterial. Pincei algumas: O pôr do sol visto do Arpoador; a prancheta de Joel Santana; o papo de botequim, a estupidamente gelada, “aquela que matou o guarda” e muito mais...
Em minhas andanças pela nossa cidade, aliadas ao meu olhar sobre o cotidiano, ouso fazer (no mesmo espírito de leveza e humor) uma relação do que considero bens imateriais específicos de nossa Campos -uma espécie de tombamento abstrato.Começo então,assim:Figuras folclóricas de nossas ruas, como os populares: “Rosinha”(seus acenos e beijinhos) e “Jaburi”(com a camisa inseparável de seu time); figuras marcantesdoBoulevard :vendedores ambulantes e seus pregões, leitores acotovelados em bancas de jornais, ciganas, pregadores religiosos, pessoas sentadas à volta do Pelourinho do Calçadão.Seguindo minhas observações: gaiolas nas portas de oficinas de carros e bicicletas; sesta de operários em sombras das árvores das calçadas; as carrocinhas de pipocas e águas de coco nas esquinas; a cadeira de engraxate na calçada da 21 de abril; os ciclistas enfileirados descendo as pontes; churrasquinho de palito às sextas; pizza em casa aos sábados; frango de padaria aos domingos... E mais: os caminhantes diários em volta do Jardim São Benedito; o uso de toalhinhas para secar rosto, a fim de minimizar o calor; o cumprimento “oi” entre amigos; o pedido feito em filas: “Guarde a minha vez um pouquinho, já tô voltando” ...E mais outra tantas, que considero marcantes : os doces regionais; a Feira da Roça; a lenda do Ururau da Lapa; a curva da Lapa;o vento nordeste;o linguajar; o rio Paraíba do Sul; a planície e os canaviais; as torres das Usinas e da Fábrica de Tecidos; a Festa de Santo Amaro e o bairrismo, que nos acompanha como carta de apresentação...

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Seria cômico, se não fosse trágico!


Uma fiel da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) receberá uma indenização R$ 10 mil alegando ter sido agredida por pastores da denominação enquanto sofria um ataque epilético.
O TJSP (Tribunal de Justiça de São Paulo) condenou a Igreja Universal a pagar R$ 10 mil a Alcione Saturnino dos Santos que em depoimento à Justiça, contou que os religiosos diziam que ela estava “possuída pelos espíritos das trevas” enquanto a agrediam. O caso ocorreu na cidade de Sumaré, 120 km de São Paulo.
A Justiça já havia condenado a Igreja Universal em primeira instância. A ré recorreu, alegando cerceamento de defesa, por conta da falta de provas, porém a solicitação de defesa não foi feita dentro do prazo legal sendo mantida a condenação por unanimidade dos desembargadores ao pagamento da indenização.
Alcione relata que durante um culto começou a sentir-se mal, momento em que avisou os pastores e foi até o fundo do templo para tomar remédios. Segundo a defesa da fiel, foi nesse momento em que os pastores teriam agredido Alcione com socos e falado que ela estava possuída.
Na ação, a Universal admitia o ataque epilético sofrido por Alcione no interior do templo, mas negou que as agressões teriam acontecido.
A Igreja Universal já sofreu condenação anterior em um caso parecido. Em agosto de 2009 foi condenada a indenizar, em 50 salários mínimos o aposentado Higino Ferreira da Costa, também epilético.
Segundo publicação g1, na ação, o aposentado afirmou que, ao passar mal na frente de um dos templos da igreja, foi submetido a uma sessão de exorcismo e depois agredido a socos e pontapés, além de ter tido uma quantia em dinheiro roubada.
O caso de Alcione foi proferido pelo Tribunal de Justiça de São Paulo datado de 14 de agosto de 2012. A decisão ainda não foi publicada no Diário Oficial, e ainda cabe recurso.
***

Então...


Mais do mesmo: Rosinha ganha no TSE

 Do blog de Francisco Pessanha:

"Acabou de ser julgada a AIME, no TSE, com decisão favorável à prefeita Rosinha Garotinho.
 
Portanto, um dos fundamentos da decisão de ontem cai por terra.
 
A confiança de ontem só aumentou. Em breve, maiores detalhes, pois no momento finalizo o recurso contra a decisão do TRE."

-------------------------------------------------------------------------------

Tudo isso é muito chato. Toda eleição é a mesma coisa. Desculpem o termo, mas essa "teta" deve ser muito boa mesmo!! Ninguém quer parar de mamar de jeito nenhum!!
Sigamos com a vida.
Bom fim de semana a todos!!

PT adia ato público para evitar conflito


Li no blog "Estou Procurando o que fazer..." que a Justiça Eleitoral mandou cancelar o evento que os garotinhos marcaram para amanhã na Praça São Salvador. Sem coincidência nenhuma, no mesmo horário e local que o PT faria uma manifestação com a presença de Sérgio Cabral e Lindberg.
Mas desta vez alguém teve um pouco de bom senso, artigo tão raro nessas bandas quando se trata de política.
Segundo o jornal on-line Terceira Via, o candidato do PT , Makhoul Moussalem, afirmou em entrevista coletiva realizada agora à tarde na sede do partido, que para evitar qualquer tipo de conflito ou tumulto, optou-se pela alteração na data da agenda previamente divulgada. Ao invés de amanhã, a manifestação do PT e dos partidos coligados será no sábado, dia 1º de setembro, com a participação de Cabral e Lindberg.

Alguém duvida que teremos confusão nesta data???

Das redes sociais ao para-brisa: a‘Multa moral’ contra estacionamento proibido


Internautas imprimem talão e deixam ‘infração’ no capô dos carros parados em local irregular

Mariana Filgueiras
Do:o.globo.com

Não se espante se algum dia, depois de uma ida ao mercado, ao dentista ou ao salão de beleza, você voltar ao carro, estacionado “rapidinho” sobre a calçada, e encontrar uma Multa Moral colada no para-brisa. Não precisa pagar nada, apesar da sugestão do boleto para que você doe R$ 50 para alguma instituição de caridade. Basta que você se sinta envergonhado o suficiente e evite cometer o mesmo erro de novo.
Há cerca de um mês, começou a circular nas redes sociais um talão de Multa Moral que permite a qualquer cidadão “multar”, pelo menos moralmente, quem estaciona em locais proibidos. Funciona assim: o internauta baixa o arquivo, imprime o talão e passa a andar com alguns exemplares no bolso. Ao ver um carro estacionado em vagas de deficientes, na entrada ou saída de outros veículos ou sobre calçadas, é só marcar a devida irregularidade no boleto e deixá-lo visível para o proprietário do veículo. Se a estratégia já diminuiu o número de infrações? Não se sabe. Mas que a campanha está fazendo barulho...
Quem teve a ideia de disponibilizar o talão de Multa Moral nas redes sociais foi o corretor de seguros pernambucano Fabiano Guerra, de 41 anos. Ele sempre teve o hábito de deixar recados desaforados nos para-brisas de carros estacionados em locais proibidos, principalmente em vagas de deficientes. Certo dia, conversando sobre a prática com um amigo, conheceu o grupo de discussão Direitos Urbanos do Facebook. Foi quando teve a ideia.

Eric Schunk lamenta "insegurança jurídica" na eleição



A decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de indeferir o registro da candidata à reeleição à Prefeitura de Campos, Rosinha Garotinho é uma consequência previsível deste grupo político que atua no limite, "desafiando a lei e a todos que não fazem a vontade deles". A declaração é do candidato do PSOL à Prefeitura de Campos, Erik Schunk, logo que soube do resultado do julgamento do TRE, que por 5 a 1 acatou pedido do Ministério Público pelo indeferimento do registro do nome de Rosinha com base na Lei 135/2010, a lei da Ficha Limpa.
     — A verdade é que o pleito fica tumultuado e o eleitor inseguro, porque como a candidata vai recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e possivelmente continuar em campanha, mesmo sub júdice, fica sempre uma incerteza no ar na cabeça do eleitor que não sabe se seu voto vai valer ou não.Aliás, nas duas últimas eleições aconteceu isso com outro candidato, Arnaldo Vianna, que nem teve os números de votos divulgados porque concorreu sem definição de registro. Erik Schunk disse ainda que espera que a Justiça seja ágil e defina logo que são os candidatos "para que seja feito um debate claro e construtivo sobre o futuro do nosso município, que tem problemas enormes".
        Para Erik Schunk, que teve seu registro definido sem qualquer questionamento (nem do MP e nem de nenhum partido), a Lei da Ficha Limpa foi a maior contribuição à democracia nos últimos anos e precisa ser aplicada "implacavelmente para que a política seja um terreno saudável para a prática da cidadania e não um ambiente de negociatas e projetos pessoais megalomaníacos".
       — Vamos continuar nossa campanha propositiva, visitando o maior número possível de pontos no município e mostrando as mazelas e propondo soluções. Aqueles que desafiam a justiça e fazem política no limite, devem resolver suas pendências o mais rápido possível para que tenham legitimidade para participar do processo eleitoral — disse Schunk, que é candidado pelo PSOL, PCB e PSTU.
ASSESSORIA DE IMPRENSA

Menina eternizada em foto de Sebastião Salgado ainda é sem-terra



Matéria da Folha de São Paulo:


Aos cinco anos de idade, Joceli Borges foi retratada pela famosa câmera de Sebastião Salgado ao lado dos pais, que peregrinavam pelo interior do Paraná em busca de um lote de terra.
Aquele rosto sujo de olhar provocativo virou capa de livro e ganhou espaço na mídia, em museus e em galerias do Brasil e do exterior.
Passados 16 anos, a jovem de 21 anos continua uma trabalhadora rural sem terra.


Vive com o marido e a filha em um acampamento do MST e diz ter dois sonhos: um lote e dois exemplares do livro que espalhou sua imagem mundo afora. "Um pra mim e outro pro meu pai."
O livro "Terra", com o rosto de Joceli na capa, foi lançado em abril de 1997. Além de uma centena de fotos em preto e branco do meio rural brasileiro, o trabalho traz texto de José Saramago e vem acompanhado de um CD com músicas de Chico Buarque.
À época, os sem-terra marchavam pelo país para lembrar o primeiro aniversário do massacre de 19 sem-terra em Eldorado do Carajás (PA), invadiam propriedades aos montes e colocavam a reforma agrária em destaque.
Hoje o tema sumiu da agenda do governo federal, e, muito por conta da consolidação do Bolsa Família, os sem-terra não têm mais aquele exército de militantes.


TERRA PEQUENA
Após o clique de Salgado, Joceli viu seus pais conquistarem a posse definitiva de um terreno. Era o fim de um drama: meses debaixo de barracos de lona, em um acampamento com alimentação escassa e sem água, saneamento e assistência médica.
A família cresceu, ela se casou, teve uma filha, e decidiu se mudar para um acampamento do MST, mesmo sem a certeza de que um dia terá a sorte de seus pais.
A fazenda está invadida há cinco anos --os donos tentam a reintegração na Justiça.
"Não vi ele me fotografando. Parece que estou olhando para a foto, mas não lembro de ver alguém me fotografando. Nem minha família lembra o local exato onde foi. Fiquei sentida por sair toda desarrumada. Mas fico feliz pelo meu pai e minha mãe ter conquistado a sua terra."
A imagem foi captada na margem da rodovia que liga Laranjeiras do Sul a Chopinzinho (oeste do Paraná).
Até conseguir a entrevista, a reportagem teve três encontros com Joceli. No primeiro, ela não quis falar. Disse que ainda estava abalada pela morte da mãe com um tiro na cabeça em um acampamento de sem-terra, em 2009.
Joceli, então com 17 anos, presenciou os disparos e, para se proteger, correu para o meio de um milharal. O alvo era um amigo de sua mãe, que sobreviveu mesmo atingido por dois tiros.
Na segunda tentativa, ela afirmou que escreveria a sua trajetória (veja nesta página).

Só na terceira oportunidade aceitou falar, mas com a condição de que antes das fotos pudesse ajeitar o visual. "Um dos meus maiores sentimentos e do meu pai foi eu sair na foto do livro toda desarrumada", afirma.
Joceli vive com o marido, Adair, e a filha, Joslaine, em acampamento a 15 km do centro de Quedas do Iguaçu.
No dia a dia, planta o que chama de "miudezas": mandioca, batata doce, milho, feijão, melancia e verduras para vender na cidade.

SONHOS
Pai de Joceli, Alípio Borges vive em Rio Bonito do Iguaçu, a 85 km de Quedas.
"Eu não conheço o homem que retratou minha filha. (...) Já recebi propostas de pessoas para entrar na Justiça e buscar direitos [pelo uso da foto], mas conheço muito da luta. Deixo isso nas mãos de Deus", afirma.
O fotógrafo cedeu os direitos autorais do livro "Terra" ao MST. Joceli e Alípio dizem que nunca conversaram com Sebastião Salgado. Anos atrás, diz ela, um instituto criado pelo fotógrafo lhe ofereceu oportunidade de estudo em São Paulo. Para não ficar longe da família, recusou.
E se encontrasse hoje com Sebastião Salgado? "Nem saberia o que falar. Quero é conquistar meu pedaço de terra. Acho que estudar não é mais importante para mim."

Matéria do jornalista PAULO CEZAR FARIAS
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA EM QUEDAS DO IGUAÇU (PR)