terça-feira, 23 de setembro de 2014

Bancários devem entrar em greve no próximo dia 30


Após sete rodadas de negociação com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), empresários e bancários ainda não conseguiram entrar em acordo

 Na última sexta-feira (19), os bancos apresentaram proposta de 7% de reajuste salarial – para inflação de 6,35% – e de 7,5% de aumento no piso. Os bancários, no entanto, consideraram a oferta insuficiente e seguem com o pedido de reajuste de 12,5%.
Fonte:Rede Brasil Atual

sábado, 20 de setembro de 2014

De flores e gentilezas

                   
            
                                        Walnize Carvalho


              Mês de setembro.
           Com a Natureza sinalizando que a estação das flores (Primavera) está prestes a desabrochar, me veio a mente uma cena do cotidiano que vivenciei e  que perfumou uma de minhas tardes.
            Lembro-me que o lugar não poderia ser mais propício para se efetuar venda de suas mercadorias: uma rua movimentada - de pessoas e carros - estar na porta de um supermercado, que fica ladeado de uma igreja e uma farmácia... e mais adiante uma banca de jornais.
            E foi neste lugar estratégico que avistei o velho senhor: bermuda rota, camisa desbotada (mas que dava para identificar que era de um time de futebol), sandália de dedo nos pés, boné enterrado na cabeça e um cigarro no canto da boca.
            Estava sentado em um caixote de madeira tendo à sua volta baldes plásticos coloridos, apinhados de coloridas flores.
            Em suas mãos calejadas e pouco habilidosas tentava dar forma de laços ao rolo de fitas de papel lustroso.
            As pessoas - em sua maioria - por ele passavam carregando na reta dos olhos o longo caminho de uma quarta-feira de setembro.
            Aproximei-me dele pensando em compor mais um personagem de minhas crônicas, neste ofício da escrita que tem muito de curiosidade e prazer em conhecer pessoas e suas histórias de vida.
            Ele - olhar cansado e distraído - perguntou-me: - É devota de Nossa Senhora? E concluiu: - Ela adora rosas brancas e estas dali (apontou para um dos baldes) estão fresquinhas!
            Não obtendo de mim resposta imediata passou a “despetalar” suas amarguras: - O movimento está bem fraco! O que me salva são minhas freguesas que vêm uma vez por semana adornar o altar de Nossa Senhora, ou as que aparecem para pagar promessa e prosseguiu: - Com essa história de dengue, quase ninguém quer flores em jarras e a gentileza de ofertar rosas a uma dama... já se foi o tempo!
            E eu, tentando animá-lo, ponderei: - Mas há sempre datas especiais: aniversários, Dia das Mães, Dia dos Namorados...
            - Muito difícil, madame! Muito difícil! - enfatizou: - Preferem gastar dinheiro com vidros de perfume, celulares último tipo, restaurantes caros!
            Calou-se.
            Apanhou encostada na parede uma sacola de napa, de onde tirou garrafa de café, desembrulhou um pão com manteiga e antes de se alimentar, ofereceu-me: - É servida, senhora? Agradeci, desviando o olhar para as flores a fim de deixá-lo à vontade.
            Terminou rápido o lanche e limpando mãos e boca voltou a falar: - Sabe, não devia nem reclamar, pois já estou aqui há anos e nunca fui importunado por fiscais e o mais importante - com meu trabalho consigo levar o pão para casa...
            Com a manga da camisa enxugou as lágrimas.  
            Escolheu uma rosa branca e - silenciosamente - me ofertou.
            Surpresa e feliz, me despedi.
            Entrei na igreja. No templo, um coro entoava: ”Fica sempre um pouco de perfume/ nas mãos que oferecem rosas...”


sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Do "baú" do Sociedade

Mundo terá mais aparelhos conectados do que pessoas até o final do ano

Claudia Tozetto, iG São Paulo
"Dispositivos conectados devem representar duas vezes a população mundial em 2015, quando cada pessoa terá, pelo menos, dois aparelhos
O número de dispositivos conectados a internet deve superar a população mundial, que é de quase 7 bilhões de pessoas, até o final de 2011, indica estudo da Cisco, fabricante de equipamentos de telecomunicações, divulgado hoje. Em 2015, este número equivalerá a duas vezes a população mundial. Cada pessoa terá, em média, dois dispositivos conectados à internet, o dobro da média registrada em 2010 pelo mesmo estudo.


Postado em 01/06/2011

A quem interessar possa


Do:G1
A propaganda televisiva e radiofônica se estenderá até o dia 2 de outubro, três dias antes do primeiro turno. Em caso de segundo turno, a data-limite para o início do novo horário eleitoral gratuito é 11 de outubro, 15 dias antes do pleito. O horário termina no dia 24 de outubro, dois dias antes do segundo turno.

É por aí?

O mundo perdeu a graça

Por: Enrique Coimbra 
Máquina de escrever
Máquina de escrever Foto: Fabio Seixo
Não tenho paciência pra ir ao cinema. Não consigo gostar de balada. Tô de saco cheio das ficadas que não levam a nada. Pra que comprar pão se existe delivery de pizza? Estou tão enjoado dos meus amigos que até cancelei assinatura de feed no Facebook... Insira aqui um suspiro profundo, porque o mundo perdeu a graça: quando tudo é previsível e cansativo, não resta outra opção a não ser ficar em casa.
E só os deuses egípcios sabem que meu coração das cartas tá morrendo. Quando brigava bastante com meus pais, estar longe de casa era essencial. Viver nas ruas, rir com o grupinho e tomar grandes doses de vinho perto do cemitério era o cenário ideal de uma vida movimentada, com adrenalina pra manter meu senso de aventura no alto.
Cinco anos depois, não quero adrenalina. Talvez passar pela casa dos 20 seja a razão de enxergar minha casa — agora em paz — como um farol de repouso, de respiração, o lugar mais seguro de todas as dimensões. Por isso, dificilmente ponho o pé pra fora. Quando ponho, é pra conhecer gente nova (porque velhos conhecidos não têm mais nada a oferecer) ou por obrigações que ainda não consegui me livrar.
Larguei faculdade e estágio pra me dedicar por inteiro aos meus projetos de livros e site, que acabo me enxergando como um desses escritores clichês: sozinho por opção, psicologicamente ferrado, pseudo-hipster com uma câmera analógica na mão, bebendo oitocentas canecas de café por minuto e escrevendo sobre amor sem conseguir vivê-lo por preguiça de relacionamentos. Se substituir o café por água, deus, esse sou eu no meu melhor momento.
Porque o mundo perdeu a graça e o que tá dentro da minha cabeça é muito mais legal de explorar.

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

CONVITE ACL



CONVITE

A Academia Campista de Letras
convida
Palestra com a Acadêmica e Pós-doutora em Semiótica

Arlete Parrilha Sendra
Tema: Em voz espelhada, José Cândido de Carvalho registra o enigma em movimento da mulher.
Dia 22 de setembro
19 horas


Academia Campista de Letras – Praça Dr. Nilo Peçanha (Jardim São Benedito) – Campos dos Goytacazes
ENTRADA FRANCA

ULTRAJE A RIGOR NADA A DECLARAR (Video original )

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Vamos prestigiar?


SEMINÁRIO NA UENF


Hélvio Santafé morre neste domingo aos 89 anos


 Do:Campos.24horas

domingo, 14 de setembro de 2014    -    Foto: arquivo
Helvio SantaféO professor, escritor e técnico esportivo Hélvio Santafé, 89 anos,  morreu na manhã deste domingo (14), após sofrer parada cardiorrespiratória na UTI do Hospital dos Plantadores de Cana, onde estava internado desde a última segunda-feira.
O velório acontece a partir desta noite, no ginásio do Automóvel Clube, e o sepultamento será na manhã de segunda-feira.
Campista apaixonado por Atafona, estudou e foi professor de educação física do Liceu de Humanidades de Campos.
Ele foi primeiro colunista social de Campos, e autor de diversos livros, como  “Ídolos do nosso esporte: A história esportiva de Campos” , “Brummell, o society que virei” e “Os bares do pontal”,”Atafona vento nordeste”, entre outros.

sábado, 13 de setembro de 2014

A gente se habitua


                                                      Walnize Carvalho
                    
                    E porque há de se viver e agradecer todos os dias o dom da Vida é que me peguei em divagações .
                    É... Quase tudo mudou e a gente acaba se habituando as mudanças.
             A gente se habitua  e porque - repito – há de se viver e agradecer o dom da vida. E nessa vivência somada à experiência, a gente se habitua com a ausência da  família reunida; do abraço apertado,do aperto de mão...
           A gente se habitua com a falta de gentilezas, de afagos e sorrisos...
           A gente se habitua a esperar horas por um telefonema ou - quem sabe- uma mensagem:- Como passou seu dia?... 
           A gente se habitua a dar “um bom dia” para as pessoas em seu caminho sem receber, muitas vezes, a saudação de volta...
          A gente se habitua a não ser notado nas filas, nos meios de transportes, nas calçadas...
           A gente se habitua ao tempo de espera; à falta de tempo, de buscar no tempo o tempo sem tempo de voltar...
          A gente se habitua a assistir e conviver com :  corrupção, destruição, poluição, mar de lamas sem nem  mesmo olhar o mar,  espiar o luar ou  buscar alguém para falar...
         A gente se habitua a mensagens virtuais, a redes sociais, esquecendo o perfume das cartas, a melodia das vozes, o calor dos abraços...
         E depois de tanto costume adquirido - talvez- para não se perder, para não se ferir, para não se machucar, a gente se habitua a poupar a vida que - paulatinamente -   se desgasta, e se esvai em silêncios.




sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Que pena, prefeita....

Parece que tem comício de Garotinho hoje na Praça São Salvador. Imagino que nossa querida prefeita esteja deixando tudo "nos trinques" para o maridão. Pena não ter este mesmo zelo e cuidado com áreas menos nobres e vistas da nossa querida cidade.

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Agende-se





PROGRAMAÇÃO DO MUSEU HISTÓRICO
DE CAMPOS DOS GOYTACAZES

IV CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA
SETEMBRO
DATA
HORÁRIO
EVENTOS
05/09
(Sexta-feira)

19h - 21h
FESTIVAL DE CONTAÇÃO DE HISTÓRIA
Organização do Departamento de Literatura da Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima.
12/09
(Sexta-feira)
19h
ABERTURA DAS COMEMORAÇÕES DO ANO HERVÉ SALGADO RODRIGUES
 Auditório do Museu Histórico de Campos dos Goytacazes.
19/09
(Sexta-feira)
19h - 21h
CAFÉ LITERÁRIO ANTÔNIO ROBERTO
No espaço do Café do Museu Histórico de Campos dos Goytacazes.


21/09
(Domingo)

09h
Inauguração da Exposição Temporária intitulada:
“BANDAS MUSICAIS - HISTÓRIA, TRADIÇÃO E LEGADO”
Retreta da Banda Euterpe Sebastianense (1903), saindo do Museu Histórico para a Praça do Santíssimo Salvador.

14h
“BANDAS MUSICAIS - HISTÓRIA, TRADIÇÃO E LEGADO”
Retreta da Banda Lira Conspiradora Campista (1882), saindo do Museu Histórico para a Praça do Santíssimo Salvador.
24/09
(Quarta-feira)

20h - 21h
SÉRIE CLÁSSICOS NO MUSEU
Duo de Violino e Piano, com o Solista Carla Rincón e Pianista Viviano Sobral.

26/09
(Sexta-feira)

18h
ABERTURA DA IV CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA
Palestra e Apresentação Musical.
Inscrições e Credenciamento na Recepção do Museu Histórico de Campos dos Goytacazes.
27/09
(Sábado)

09h - 18h
IV CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA
Palestras, Reunião das Câmaras Técnicas, Plenária e Eleição do novo Conselho Municipal de Cultura.


28/09
(Domingo)

09h
“BANDAS MUSICAIS - HISTÓRIA, TRADIÇÃO E LEGADO”
Retreta da Banda Lira Guarani (1893), saindo do Museu Histórico para a Praça do Santíssimo Salvador.

14h
“BANDAS MUSICAIS - HISTÓRIA, TRADIÇÃO E LEGADO”
Retreta da Banda Operários Campistas (1892), saindo do Museu Histórico para a Praça do Santíssimo Salvador.

Telefone de contato para agendamento de visitas: (22) 27285058

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

DIVULGAÇÃO DE PALESTRA

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE
DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA DE CAMPOS

Palestra do professor Danilo Marcondes – “A Descoberta do Novo Mundo e o Ceticismo Moderno” – 

Dia: 10/09/14
Horário: 16 horas

Local: Auditório da Universidade Federal Fluminense – UFF – Rua José do Patrocínio, 71/75 – Centro – Campos dos Goytacazes.
Prof. Dr. Luiz Claudio Duarte
________________________________________________
Chefe do Departamento de História de Campos - CHT

"Chorar" é tudo de bom!


Mais uma noite de Choro & Cia. no Trianon

Gênero nascido na segunda metade do Século XIX, o Choro volta a ser
destaque no foyer do Teatro Municipal Trianon, na próxima quarta, 10
de setembro, em mais uma edição do projeto Choro & Cia., parceria
entre a Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima e o Clube do Choro &
Cia., patrimônio imaterial da cidade.

Em apresentação marcada para começar às 20h, o Conjunto Regional
Carinhoso vai, mais uma vez, promover uma viagem aos clássicos que
imortalizaram o gênero, consagrando nomes como Pixinguinha, Jacob
Bandolim, Waldir Azevedo, Ernesto Nazareth, Chiquinha Gonzaga, Joaquim
Callado e tantos outros mestres da música.

O Regional é formado pela cantora Alba Valéria (voz e coordenação), os
músicos Eumir Gama (violão sete cordas), João Ernesto (bandolim),
Mailton Gonçalves (violão seis cordas), Valzinho (pandeiro), Júlio
César Ferreira (cavaquinho) e Dalton Freire (flauta).

Como sempre acontece, o grupo recebe convidados especiais, dando
prosseguimento à política de valorização dos artistas da terra
proposta desde o início do projeto. Nesta edição, sobem ao palco a
dupla Cacá Morsh e Victor Rangel, com clássicos da MPB,  e os músicos
da centenária Lira Guarany entoando alguns  dobrados de seu
tradicional repertório. No intervalo poético, quem se apresenta é
Artur Gomes. O ingresso custa R$ 1.

sábado, 6 de setembro de 2014

A “morte” da independência


Walnize Carvalho
Sete de Setembro, de idos setembros.
A expectativa pelo dia do Desfile da Independência tornava ávido meu coração estudantil e - posso afirmar - da maioria da meninada da escola.
  Nos dias que antecediam o grande acontecimento,o ginásio do Instituto de Educação lotava de alunos e professores em tardes de ensaio. A formação dos pelotões; a indicação dos que levariam bandeiras; o aconselhamento dos mestres quanto a postura (tanto corporal como comportamental) era repetido à exaustão.
Ao término seguia para casa imbuída de entusiasmo, ainda com o “ratimbum’ dos tambores nos ouvidos.
        Chegada do grande dia.
        O uniforme impecavelmente preparado pelas mãos habilidosas de mamãe,(tanto o meu, como o de minhas irmãs) aumentava nosso orgulho pelo que dever cívico, queríamos demonstrar na avenida.
        E assim...
       Avenida Alberto Torres.
         Em frente ao Balalaica, posicionados nossos pais ,tios e primos vibravam não só com o desfile de instituições, entre outras (que me ocorrem agora):Corpo de Bombeiros, Polícia Militar, Guarda Municipal, Moto Clube de Campos; Legião dos Veteranos de Guerra; bandas municipais bem como com  as Escolas: Liceu,Agrotécnica,Auxiliadora, Nilo Peçanha ...e o nosso Instituto de Educação.
        Estanco as lembranças e imediatamente a imagem de um Desfile,que ficou gravado em minha memória reaparece com nitidez perfeita.
Recordo que todo ano um fato se repetia:Eu, estudante ginasial (a mais baixinha da sala) sempre me frustrava no ensaio no pátio da escola, quando eram formadas as filas para o desfile de 7 de setembro. E a frustração era maior porque ao sair à rua,na data da comemoração da Independência, lá estava eu, na última fileira,na "rabada"(conforme falavam à época).
        Resolvi tirar proveito da situação e no ano seguinte levei meu bom humor para a avenida.Aproveitando a distração dos professores dava acenos,brincava com os que estavam do lado de dentro da corda de isolamento,recebia deles copos d'água e até picolés.Tudo isso numa irreverência nada comum naquele tempo...
       E eis que no memorável ano de 1967, a novidade: A professora resolveu me agraciar, dando-me a missão e responsabilidade de sair à frente de um pelotão carregando a Bandeira Nacional!
Ao formar a fila foi que me dei conta de que era "O pelotão das baixinhas"!...
Daí pra frente desfilei com garbo,afinal,não poderia perder a pose nem o patriotismo. Mas, a bandeira pesava, o rosto ruborizava, o suor escorria pela face e o olhar atento, dos que ali estavam assistindo o desfile, faziam-me quase tropeçar nos próprios passos...
   Tentando manter a compenetração, pensava: - Tudo pela Pátria! Mas ano que vem quero estar lá no meio das minhas colegas, pois nessa posição de destaque acabei“matando” minha independência ,ou melhor, a liberdade de marchar junto a elas pelo mesmo ideal.

       Refeitas as lembranças, reconheço que nada faz sepultar em mim a admiração dos que fazem do “Sete de Setembro” um momento de reflexão sobre o nosso país. 

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Entrevista com a escritora Martha Medeiros


Do UOL, em São Paulo
Entrevistada do programa da TV Cultura "Roda Viva" da última segunda-feira (2), a escritora Martha Medeiros defendeu a arte e a cultura como formas imprescindíveis para "combater a ignorância". Ao falar sobre o caso do menino Bernardo - que supostamente foi morto pela madrasta com o consentimento do pai -, ela tratou o ocorrido como um "problema de formação das crianças dentro das famílias brasileiras".
"As pessoas tratam muito mal das crianças. Temos que combater esse tipo de coisa combatendo a ignorância. Aí entra uma formação familiar que a gente não tem. A pessoa ouve um pagode e acha que tem arte em casa. É necessário uma formação cultural que envolva filosofia, psicologia, noções básicas. Mas não basta só ir ao colégio. Acho que existe um vazio existencial dentro das pessoas que a arte pode preencher e resultar em famílias mais harmônicas. Acho que a cultura é tão fundamental para tudo isso para combater a ignorância", discursou ela no programa,
Dona dos bestsellers "Trem-Bala", "Doidas e Santas", "Divã" e conhecida por falar sobre assuntos amorosos/cotidianos, Martha defendeu  a legalização do aborto e ainda criticou a visão de que a mulher nasceu para a maternidade. Para ela, o aumento de mulheres que não querem ser mães faz parte da sociedade atual.
"Eu acho uma consequência natural da independência feminina. Antigamente, a gente não tinha muitas opções de realizações a não ser ser mãe. É uma sacanagem com as mulheres. A gente divulga muito o lado sublime e omite o lado encrenca da coisa. Porque é muito difícil e tem muitos problemas. Acho muito latino essa passionalidade de ser mãe.  Primeiro ser mãe depois o resto, é uma coisa que eu não compartilho. Tudo é importante", disse a escritora, que acha que a maternidade é "mais uma aventura da vida".  Ela é mãe de duas mulheres.
"Não gosto que me vejam como guru"
Durante a entrevista, Martha foi questionada sobre qual era a sua receita para conquistar leitores fiéis em um país que pouco lê. Sempre fugindo de rotulações, ela contou que começou escrever como um processo terapêutico para narrar suas angústias. Segundo a escritora, foi uma tentativa que atraiu o público.
No entanto, ela acredita não ser um guru e que não está apta para dar dicas sobre as relações cotidianas. "Não gosto muito de me verem como guru. Parece uma coisa messiânica. É muito fácil entender as coisas por escrito. Me atrapalho todos os dias como qualquer outra mulher. Estamos vivendo em um mundo exibicionista. E eu falo o que acontece entre quatro paredes. Ai as pessoas sentem identificação", explicou ela.
Martha Medeiros acaba de lançar a antologia composta pelos títulos "Liberdade Crônica", "Felicidade Crônica" e "Paixão Crônica" para comemorar seus 20 anos como cronista de jornal - atualmente nos jornais "Zero Hora' e "O Globo".

CIRANDA ON-LINE “CRIANÇA EM VERSOS” - 2014


Convite da acadêmica Heloisa Crespo(ACL)

CIRANDA ON-LINE “CRIANÇA EM VERSOS” - 2014 Participe da Ciranda com a sua trova, quadra, hai-cai, soneto, acróstico, cordel ou poesia livre. Tema: Quando eu era criança. Apresentação on-line da Ciranda “Criança em Versos” com todos os participantes: 12/10/2014 (Dia da Criança). Enviar o texto até o dia 23/09/2014 para o e-mail CriançaemVersos ,
I- Trabalho literário: Fonte Arial – Tamanho da fonte 12 Não precisa ser inédito. O autor só poderá participar com um trabalho. O tema não poderá ser usado como título. Participe e divulgue.
II- Ficha de Inscrição: Nome completo, nome literário, endereço (rua, nº,bairro, cidade e CEP), e-mail e telefone.