sábado, 5 de outubro de 2013

Sonho de consumo

Walnize Carvalho 

Passava sempre que podia pelo Centro da cidade. Em especial, por aquela rua. Por aquela loja. Por aquela vitrine.
E ficava horas olhando para o objeto cobiçado.
Seguia. Ela e seu devaneio.
Atravessava a rua apressada, pois a noite já estava por chegar.
Chegava à casa cansada e de forma rotineira: banho, geladeira, tevê, cama... e a leitura de um livro de cabeceira.
Dormia e sonhava com personagens lidos. Que faziam-lhe companhia também durante o dia, já que no trabalho, vez por outra, adquiria ares de distanciamento da Terra...
Prosseguia a vida e vez por outra passava pelo Centro da cidade, por aquela rua, por aquela loja, por aquela vitrine.
Tarde chegou.
Decidida entrou com um brilho no olhar.
Aproximou-se do balcão.
Dirigiu-se do atendente da livraria.
Solicitou-lhe que lhe mostrasse a coleção completa do seu poeta predileto.
Não mais livros emprestados. Não mais livros usados. Por puro capricho seu, agora desejava que fosse assim...
Folheou o primeiro volume. Aspirou o seu perfume...
Abriu a bolsa.
Contou o dinheiro... Efetuou a compra.
Revestida de felicidade saiu pela rua sentindo-se vitoriosa pois havia conseguido reunir suas economias, quitar suas dívidas, e finalmente satisfazer o seu sonho de consumo.



Nenhum comentário: