terça-feira, 15 de outubro de 2013

E no Dia do Professor...

...uma doce lembrança que me veio nesta manhã ensolarada:
                         
                                     Seis anos de “progresso”
                                                 
                                                     Walnize Carvalho 
          
           Ano: 1970.
          O ônibus da empresa Progresso saiu do ponto atrasado alguns minutos.
          Eram os passageiros, que vindo à cidade, tentavam levar o que o bagageiro do ônibus aguentava e... o bolso também!
         Levavam as novidades, coisas raras na roça. Iam desde gêneros alimentícios a indumentárias...
       Mês de março. As aulas por começar, era preciso comprar tecidos, cadernos e lápis (naquele tempo não eram fornecidos pelo governo).
      Entre cadernos do MEC, pipocas adocicadas, verduras  e mantimentos fiz a primeira viagem. Eu, professorinha - 18 anos -havia escolhido ( em concurso) o “Grupo Escolar Atilano Chrysóstomo de Oliveira”.
      Curiosa, perguntei ao passageiro ao lado: - Daqui a Saturnino Braga são quantos quilômetros? -Vinte e dois! Respondeu - me.
      Fiz a viagem atenta, olhando a paisagem lá fora.
      O ônibus fez várias paradas (nos pontos... e fora deles!). Todos aceitavam, pacientemente. O trocador caminhava dentro do coletivo cobrando as passagens. As pessoas conversavam animadamente e eram tantas histórias ouvidas, que quando me dei conta, chegara ao meu destino.
      A escola, quase à beira de estrada, se destacava entre o campo verdejante e a fileira de casinhas da Usina.
       Desci com o coração ofegante. Ali começava minha trajetória de professora. E ser professora era um pouco de tudo: babá, alfabetizadora e a segunda referência depois da mãe.
       Os alunos chegaram: uns choravam; outros felizes. As meninas com laços de fita na cabeça; os meninos com atiradeiras de caçar passarinhos e balebas nos bolsos. Nas sacolas, o material escolar e a “mistura”como era chamada a merenda...
       Nós, professores, éramos figuras admiradas pela comunidade e a Escola, o templo do Saber.
       Passou-se um ano... Passaram-se seis anos ...e ir lecionar  -com chuva ou sol - era um prazer e a sensação de dever cumprido.Depois, segui a jornada em outros colégios da cidade, cumprindo com honradez a missão a mim confiada...

Nenhum comentário: