domingo, 29 de setembro de 2013

Millôr Fernandes no dia nublado de domingo

A CAUSA DA CHUVA


Não chovia há muitos e muitos meses, de modo que os animais ficaram inquietos.

Uns diziam que ia chover logo, outros diziam que ainda ia demorar. Mas não chegavam a uma conclusão.

– Chove só quando a água cai do teto do meu galinheiro, esclareceu a galinha.

– Ora, que bobagem! – disse o sapo de dentro da lagoa. Chove quando a água da lagoa começa a borbulhar suas gotinhas.

– Como assim? – disse a lebre. Está visto que chove quando as folhas das árvores começam a deixar cair as gotas d’água que tem dentro.

Nesse momento começou a chover.

– Viram? – gritou a galinha. O teto do meu galinheiro está pingando. Isso é chuva!

– Ora, não vê que a chuva é a água da lagoa borbulhando? disse o sapo.

– Mas, como assim? – tornava a lebre. Parecem cegos? Não veem que a água cai das folhas das árvores?

Moral:todas as opiniões estão erradas.

         (FERNANDES, Millôr. Fábulas fabulosas. Rio de Janeiro: Nórdica, 1985.)


Nenhum comentário: