quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Negócio da China- Zuenir Ventura


O mundo esportivo está surpreso com o desempenho dos atletas chineses, que disputam com os americanos a liderança das Olimpíadas de Londres. São mais de 60 medalhas até agora, das quais cerca da metade de ouro. Qual o segredo do rápido sucesso de um país que em 1992, em Barcelona, conquistara apenas 16 delas, mas já em 2008 pulara para 51, superando os EUA? Wu Minxia e He Zi, que no domingo arrasaram no salto ornamental em trampolim de três metros, podem exemplificar o fenômeno. Durante um ano, a BBC de Londres acompanhou a preparação das duas e chegou à conclusão de que elas foram submetidas a um regime de trabalho forçado, ou quase. Junto com outros colegas, elas foram confinadas num ginásio, tendo livre apenas uma tarde de domingo por semana. Do centro de treinamento para os dormitórios, iam de ônibus e, no percurso, o mundo exterior era apenas vislumbrado pela janela. Nos apartamentos, que dividiam com outras, nada de visitas de fora. As refeições eram feitas em conjunto numa cantina comunal. "A vida dos atletas consiste em três coisas: treinar, comer e dormir", observa um funcionário do local. He Zi, de 20 anos, e Wu Minxia, de 26, não têm namorados. "Eu coloco todo meu coração e a concentração no treinamento. Não penso em muitas coisas além disso", afirma He.

Quase ao mesmo tempo, o jornal britânico "Daily Mail" publicou fotos da preparação esportiva de crianças chinesas, perguntando se não constituíam de fato tortura os castigos físicos a que são submetidos meninos e meninas de 7 ou 8 anos de idade. As imagens são impressionantes. Em uma delas, uma garota de bruços, com os braços abertos, a cabeça levantada, chora de dor. Atrás, a instrutora segura uma espécie de palmatória. Em outra foto, um pé do treinador pisa forte a perna de uma menina deitada no chão, o rosto contraído, a boca aberta num grito que lembra o quadro de Edvard Munch. É chamado de "fábrica de atletas" esse processo capaz de criar fenômenos olímpicos como o de outra jovem, a nadadora Ye Shiwen, de 16 anos, que conquistou duas medalhas de ouro num tempo tão extraordinário que levantou a suspeita de doping. Parece que não era. É apenas mais um exemplo do "milagre" do sistema, impiedoso e desumano. Prefiro o nosso, mesmo precário e sem conseguir tantas medalhas. Se o governo chinês castiga assim seus atletas infantis, a pretexto de transformá-los em heróis olímpicos, o que não faz com os dissidentes políticos?
Se o governo chinês castiga assim seus atletas infantis, a pretexto de transformá-los em heróis olímpicos, o que não faz com os dissidentes políticos?


Publicado no O Globo de hoje.

Um comentário:

Projeto ABRIGO disse...

como Pode? o centro existe a dois anos, tem pessoas de todos os lugares do Rio, e falam que ela utiliza os internos na campanha? esse "Talzinho do TRE" é maluco! Nada disso acontece lá, já fui várias vezes, e nunca existiu isso. Ela é uma colaboradora, como eu e outros. Ela quer fazer o segundo projeto por ela só e nos estamos apoiando isso. NÃO É UTILIZADO NENHUM INTERNO (ALUNO COMO CHAMAMOS)PODE IR LÁ E COMPROVAR!ATÉ O PREFEITO DO MUNICÍPIO FOI LÁ CONHECER ENTRE OUTRAS AUTORIDADES. Meu querido porque vc não tenta fazer o mesmo que ela?