quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Rapidinhas do dia



### O ministro do esporte, Aldo Rebelo, e o jornalista Mauro Cezar Pereira mais uma vez protagonizaram um embate “quente” sobre os gastos para a Copa do Mundo de 2014. Assim como aconteceu em abril, quando trocaram farpas durante o “Roda Viva”, da Cultura, comentarista e político novamente demonstraram opiniões divergentes no “Bola da vez”, da ESPN Brasil, que foi ao ar nesta terça-feira.
Em uma ocasião bem similar a ocorrida no primeiro semestre, Mauro Cezar questionou Aldo Rebelo sobre o baixo público nos novos estádios das regiões Nordeste, Norte e Centro-Oeste e o que pode ser feito para evitar arenas vazias após o mundial de 2014. Irônico, o ministro começou a resposta com uma alfinetada no comentarista.
“Mauro, eu sei que você não é um dos maiores admiradores do futebol do Amazonas e do Mato Grosso”, afirmou o ministro, que rapidamente foi chamado de equivocado pelo jornalista.
Em seguida, Aldo Rebelo lembrou que as pessoas que vivem nessas regiões torcem para duas equipes, uma local e outra que disputa a Série A do Brasileirão. Logo, não há conflito de interesse. Novamente rápido na resposta, Mauro Cezar afirmou que os estádios desses locais sempre estiveram vazios ao longo dos estaduais. A opinião irritou o ministro, que rebateu de forma mais dura.
“Você está desinformado. Mauro, você quer discutir estádios vazios? Vamos começar por São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul”, afirmou.
“Não, o senhor está mudando o rumo da conversa. Qual é a relação da minha pergunta com relação a Manaus e Mato Grosso? Vamos discutir depois do Rio e de São Paulo que também vivem vazios e é um absurdo”, replicou o comentarista.
Para não prolongar a discussão, Mauro Cezar reformulou a pergunta e novamente questionou o ministro sobre a importância das novas arenas. E novamente Aldo Rebelo tentou se defender.
“Acho que vai fazer sentido sim e vou te dizer. Em 1970, o Brasil ganhou a Copa. Eu naturalmente vivia em Alagoas, torcida para o CRB e para o Palmeiras. E o governo do Estado construiu o Rei Pelé, um belo estádio que está lá até hoje. Isso permitiu que o CRB e o Centro Esportivo Alagoano participassem dos torneios nacionais. Na cultura, ninguém questiona o teatro municipal de São Paulo e do Rio, todos construídos com dinheiro público. Agora se é para futebol não pode. No futebol, os primeiros a falar mal são os jornalistas esportivos. O estádio de Manaus, assim como o de Cuiabá, para o futebol local”, completa. (UOL)
### A presidente Dilma Rousseff disse, na manhã desta quarta-feira (28) que é um “imenso preconceito” as manifestações de médicos brasileiros contra a chegada de profissionais cubanos ao país, pelo programa Mais Médicos. A declaração foi dada durante entrevista à rádio América, de Belo Horizonte, onde a presidente esteve nesta terça-feira.
Na entrevista, Dilma Rousseff comentou os episódios de preconceitos que médicos vindos de Cuba têm sofrido no país. Após serem recebidos com vaias no Ceará por colegas brasileiros na segunda-feira (26), o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, considerou que os cubanos são alvos de atitudes xenófobas e truculentas. “Em primeiro lugar, tem muita truculência, muita incitação ao preconceito, e à xenofobia. [...] Lamento veementemente a postura de alguns profissionais - porque eu acho que é um grupo isolado - de ter atitudes truculentas, [que] incitam o preconceito, a xenofobia”, declarou. (Globo.com)

### Marco Feliciano não engoliu as críticas do líder do PSC da Câmara, André Moura, ao fato de Feliciano ter admitido que ouviu propostas de outros partidos.
Basicamente, Moura afirmou que seu correligionário tem obrigação de ser grato ao PSC por tê-lo apoiado nos momentos de embate com praticamente todos os outros deputados (Leia mais em:Feliciano no mercado).
Ao contrário do que acredita Moura, Feliciano agora não sabe se continuará no PSC e, de quebra, rebate as acusações do colega:
- O líder dizer que o partido me bancou? Como bancou se, quando todo mundo queria que eu entregasse a presidência da Comissão de Direitos Humanos, eu ouvi do próprio líder que era para eu renunciar? Eu é que bati o pé para ficar e disse que, se quisessem, poderiam me expulsar. De lá para cá, o PSC só cresceu. O número de filiados explodiu.
Feliciano agora mira saltos além da Câmara e dá o recado à cúpula do PSC:
- Todos os partidos que me procuraram ofereceram a possibilidade de concorrer ao Senado. E isso seria maravilhoso: imagina poder ter espaço e tempo para explicar no Senado o que chamam de cura gay, as razões para tenta gente ter saído do armário nos últimos tempos, entre outros temas. Seria maravilhoso. (Radar On-line- Lauro Jardim)


### Um homem foi detido após ter construído uma barragem no Canal Campos-Macaé, na localidade de Morro Alto, em Quissamã, na tarde desta terça-feira (27/08). A irregularidade estava em uma propriedade privada.
A ação conjunta reuniu policiais da 3ª Unidade de Polícia do Parque Estadual do Desengano (UPAM) e a Secretaria Municipal de Meio Ambiente do município. A interrupção obstruiu o curso da água do canal. 
O suspeito J.M.G.S., é proprietário do sítio e não tinha autorização do órgão ambiental competente para fazer qualquer tipo de alteração na área. Ele foi levado para a 130ª Delegacia Legal (Quissamã), onde a ocorrência foi registrada. J.M.G.S., foi autuado no artigo 60 da lei 9.605/98 da lei de crimes ambientais e pode pegar de um a seis meses de detensão, ou multa, ou ambas as penas juntas. (Ururau)

Nenhum comentário: