quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Futuro do Goytacaz

 Foto: Vagner Basilio (Ururau)



Li há pouco, a entrevista do novo presidente do Goytacaz, Robson Barreto, no site Ururau (aqui). Ressalto que o conheço apenas de vista, já que foi gerente de alguns bancos em nossa cidade. E nem posso duvidar de suas boas intenções. Mas...
Não acompanho o dia a dia do clube, como meu amigo Gustavo Rangel, torcedor apaixonado do Goyta, jornalista e blogueiro neste espaço. Também não sou torcedor do time, (sou botafoguense e só!), embora tenha por ele enorme simpatia. Mas fiquei preocupado com a permanência de um modelo que não gosto em times de futebol. A nefasta intromissão da política partidária. Quando o Sr. Robson Barreto diz que “(...)temos um grupo que nos ajuda, que tem a liderança de Wladimir Garotinho, que vem buscando apoio com vários setores da economia e acredito que ele continuará com a gente e em breve esse clube vai se vender, ou seja ter empresas chegando querendo patrocinar e pedindo para entrar no clube. Nós queremos profissionalizar o clube de uma vez por todas”, penso que existe uma enorme contradição. Não vejo como um clube de massa, e detentor da quinta maior torcida do estado, se profissionalizar de verdade quando existe este “apoio”, que todos conhecem, do filho do prefeito-deputado Garotinho. Infelizmente, muitos aceitam e concordam com tal fato, com a desculpa que “só assim o Goyta volta para a Primeira.” Sim , já escutei isso de alguns torcedores alvi-anis.
Pois bem. Este ano mesmo tivemos o exemplo que esta interfência pode ser prejudicial. A diretoria do time fez uma bobagem sem tamanho, liberando a escalação de um jogador suspenso, e depois ainda quis recorrer. Ainda bem que, desta vez, a justiça foi feita.
Bem, mesmo com a continuação deste modelo que não concordo, espero que ano que vem as coisas mudem de rumo para o Goyta. Mas, não podemos esquecer que é ano de eleições. O próprio filho de Anthony Garotinho é pré-candidato a deputado. Então, olho neles!
E para terminar, lembremos das gestões de Patricia Amorim, vereadora no Rio, à frente do Flamengo e Roberto Dinamite, ídolo maior do Vasco, deputado estadual, e sempre envolvido em denúncias de favorecimento de parentes e outras coisinhas mais, como presidente do time da cruz de malta.
Vale tudo mesmo?
O blog abre espaço para que as pessoas mencionadas nesta postagem se manifestem, caso queiram.

Um comentário:

Gustavo Rangel disse...

o Goyta vem aí, e o bicho vai pegar!!!