sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Brasil, o país do futebol. Será???



Interessante matéria do UOL, que mais uma vez mostra que estes eventos que acontecerão no país, e que vem sendo objetos de chantagem por parte do governador Sérgio Cabral, na questão da nova divisão nos royalties, não privilegiam em nada, ou quase nada, a população.

"A divisão de ingressos da Copa das Confederações prevê que apenas pouco mais da metade dos bilhetes para a competição esteja à venda para o torcedor comum. Há uma possibilidade desse percentual aumentar caso entidades esportivas, patrocinadores e outros favorecidos desistam de suas cotas de entradas para os jogos, previstas no regulamento da Fifa (Federação Internacional de Futebol).
No total, há 897.825 ingressos para a competição de 2013. Desse montante, pela previsão inicial, apenas 477.441  poderão de fato ser comprados pelo público em geral.
Explica-se: 7,6% dos bilhetes não estão à venda. Serão dados para VIPs (10.812); para acompanhantes de deficientes, funcionários da Fifa, observadores e parceiros comerciais (45.907), e jornalistas (11.820). Ou seja, uma parte desses casos é de pessoas que vão trabalhar nos jogos.
Sobram então 829.286 de ingressos à venda, compráveis como diz a Fifa. A questão é que há compradores que têm cotas preferenciais de entradas. Só a entidade máxima do futebol fica com 60 mil entradas, enquanto CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e COL (Comitê Organizador Local) levam cerca de 25 mil. Membros da família futebol têm direito a outros 22.435 bilhetes. Em resumo, as organizações esportivas terão direito a um total de 107.515.
As entidades podem escolher se ficam com sua cota inteira ou apenas com uma parte. Caso desistam de uma parcela a que têm direito, esses ingressos serão botados à venda para o público em geral.
A mesma regra vale para patrocinadores, promotores de pacotes de hospitalidade e parceiros de transmissões (broadcast). Apenas os afiliados comerciais da Fifa ficam com outros 138.181 bilhetes. 
Os promotores de pacotes de hospitalidade abocanham 86.334. Neste caso, o torcedor comum até pode ter acesso ao ingresso desde que compre os produtos que incluem hospedagens e outros serviços. Ou seja, terão de pagar mais do que apenas o valor do ingresso. E boa parte é para pacotes corporativos, destinados a  empresas. Os donos de direitos televisivos ficam com pouco menos de 20 mil bilhetes.
Haverá uma data para que as empresas patrocinadoras, Fifa, COL e outros definam quantos bilhetes vão usar de suas cotas. Provavelmente, isso deve acontecer em janeiro.
Se decidirem comprar os bilhetes, não poderão revendê-los separadamente. Terão de garantir que vão utilizá-los para evitar espaços vazios nos estádios da competição.
Esse tipo de cota preferencial para patrocinadores, organizadores e entidades esportivas é comum em grandes competições como Copa do Mundo e Olimpíada.
Feitas todas as contas, resta ao torcedor comum os 477.441 ingressos. A Fifa garante pelo menos 50 mil para a categoria 4, a mais barata, que só pode ser comprada por brasileiros. É também a categoria que pode ser adquirida com meia entrada por estudantes, beneficiários da bolsa família e idosos. Isso significa que 5,6% do total de ingressos, incluindo compráveis e dados, estará disponível pelos preços mais baixos, com mínimo de R$ 28,5 no caso da meia entrada.
Além dos ingressos disponíveis, a Fifa ainda deixou uma contingência de 8.598 lugares e outros 82.955 foram excluídos pela denominação seat kills, que são lugares que podem ter a visão impedida."

Nenhum comentário: