terça-feira, 20 de novembro de 2012

Consciência Negra: Data para refletir a inserção do negro na sociedade

Do:Ururau
Virna Alencar

A força do "espírito presente" traz consigo marcas de um passado e perpetua na consciência daqueles que conhecem a história.
Nesta terça-feira (20/11) é comemorado o Dia Nacional da Consciência Negra e para tal importância se discute a luta pela inserção do negro na sociedade brasileira.
  O dia passou a ser celebrado na década de 60 e cultua-se a resistência do negro à escravidão com a morte do grande líder Zumbi dos Palmares, em 1695.
A partir de então, pretende-se resgatar as contribuições dos povos negros nas áreas social, econômica e política ao longo da história do país. Mesmo assim, o passado traz consigo ranços sociais facilmente perceptíveis com as polêmicas discussões sobre a inserção do negro no mercado de trabalho e cotas universitárias.
São muitos os nomes que fizeram história no mundo todo, na política, na música, no esporte e na cultura, como Nelson Mandela, Martin Luther King, Michael Jackson, Barack Obama, e claro, os nossos representantes — Pelé, Gilberto Gil, Djavan — que tornam o Brasil cada vez mais brasileiro.
No cenário campista, o secretário de Cultura Orávio de Campos, cita o jornalista Luiz Carlos de Lacerda, como importante líder pela abolição da escravidão no município, que inconformado, resolveu fundar a Sociedade Campista Libertadora, juntamente com outros abolicionistas. "Campos já chegou a ter 250 engenhos de açúcar, principal mercadoria de exportação, entre outros produtos provenientes da cana de açúcar, e por isso, tinha grande quantidade de escravos.
Vale reviver o nome de Carlos de Lacerda porque se não fosse ele seríamos os últimos a libertar os escravos", disse o secretário. Segundo o secretário, a primeira reunião do clube ocorreu em 17 de junho de 1881 tendo sido eleito o presidente João Alves de Souza Barreto Machado.
 No entanto, a ideia não foi à frente e Luiz Carlos de Lacerda a retoma quase três anos depois marcando a Primeira Conferência para o dia 25 de março de 1884 no teatro Empíreo.
A data coincide com a data da libertação dos escravos no Ceará, ocorrida em 25 de março de 1881, o que animou o jornalista campista a continuar com sua luta libertária.
Em primeiro de março de 1884, lança o Jornal "25 de Março", o primeiro jornal abolicionista da cidade. Em homenagem ao jornal, a Câmara Municipal decreta extinta a escravidão, 48 dias antes da Lei Áurea assinada pela Princesa Isabel, em 13 de maio de 1888. "O Dia da Consciência Negra é uma forma de se pensar e cultuar outras formas de liberdade.
E até que onde estamos comprometidos com as transformações sociais do tempo?", indagou Orávio. Para o presidente da Fundação Municipal Zumbi dos Palmares, Jorge Luiz Pereira dos Santos, manifestações e resistência, como a que culminou na morte de Zumbi, é uma oportunidade de pôr em questão, discussões sobre o negro, que são históricas e também sociais, na busca de novas conquistas.

Nenhum comentário: