sábado, 29 de março de 2014

Labirintos

                                             Labirintos
                                                      Walnize Carvalho
               

             E foi ,que dia desses reorganizando a vida para o ano no qual, efetivamente, começou neste mês, me vi atordoada em meio a papéis e correspondências a serem arquivados e outros tantos com prazo a serem cumpridos.
             Cerquei-me de caixas, envelopes, pastas, etiquetas e... mãos a obra!
             Quem disse?! ... Talvez dado ao calor e ao acúmulo da papelada, me senti confusa, sem saber por onde começar, como se estivesse entre passagens ou corredores estreitos, dos quais encontramos dificuldade em achar um meio ou um caminho de saída: um verdadeiro labirinto.
            Levantei-me.
           Caminhei um pouco pela sala.
           Bebi um copo d’água.
           Recostei-me  no sofá, buscando calmaria.
            O pensamento criou asas e, como se quisesse frear meu impulso em resolver tudo de forma apressada, indicou-me outro caminho.
          Antes de retomar a tarefa, folheei um livro de  mensagens.
           Li  e reli alguns tópicos bem interessantes e positivos.
           A seguir, abri um álbum de fotografias.
          Lá, deparei com uma imagem, na qual me faz reportar a um episódio inesquecível: trata-se de uma foto tirada na cidade de Nova Petrópolis, Rio Grande do Sul , onde estive com a família há quase trinta anos.
        No centro da Praça das Flores, encontra-se o Labirinto Verde, que é formado por ciprestes plantados em círculos dando passagem para chegar-se ao centro. São cuidadosamente cortados formando uma “cerca viva” em meio à natureza.
Como a atração é um convite a “brincar, perder-se e encontrar-se”, o meu filho mais novo - Guilherme - afoito e curioso, foi o primeiro a entrar, no que confuso, se perdeu... para em seguida, ser encontrado pelos adultos!
         Guardei a fotografia e arquivei as lembranças.
         De forma apaziguada, adiei a tarefa para outro dia, pois me dei a refletir  que a calma e a perfeição caminham de mãos dadas e priorizar atividades e sempre de bom tom.
        E mais ...analisei que se algo não seguiu o rumo por nós traçado é motivo para aguardar o próximo passo e para isso se faz necessário ter paciência e tolerância para se enfrentar os “labirintos”, que a vida nos oferece  no decorrer dos nossos dias.
       Retomei a leitura do livro (Mil Razões Para Viver, é este o título) e encontrei nas sábias palavras de D. Hélder Câmara, lá impressas e que irei aqui reproduzir, o fechamento de nosso encontro de hoje:
“Aviso de Deus:
 Quando houver contraste
entre a tua alegria e um céu cinzento;
entre a tua tristeza
e um céu sem nuvens,
bendiz o desencontro:
 é um aviso divino
 de que o mundo
não começa nem acaba em ti”.


Nenhum comentário: