sábado, 16 de agosto de 2014

Crer ou não crer

                           


                                                                    Walnize Carvalho

        Estamos na metade do mês de agosto. Mesmo assim, aproveito para,nesta crônica de hoje, tecer comentários sobre crendices que permeiam nosso dia a dia, em especial, neste oitavo mês do ano. Por sua origem popular, elas também integram a sabedoria ou superstição de um povo e estão associadas a pesar, tristeza, dissabor e sofrimento
           Quem nunca ouviu o dito popular: “Agosto é o mês do desgosto”?
       A verdade é que a crença popular de que agosto é o mês de desgosto não é somente um ditado popular que rima; é, também, uma superstição internacional de grande aceitação entre nós, principalmente na zona rural do país, destacando-se, de modo muito particular, em todo o Nordeste, onde o processo de colonização foi homogeneamente português. 
        É sabido que os romanos deram ao oitavo mês do ano o nome de agosto, em homenagem ao Imperador Augusto. 
            Conta-se , também, que as mulheres portuguesas não casavam nunca no mês de agosto, pois nesta época os navios das expedições zarpavam à procura de novas terras.  Casar em agosto significava ficar só, sem lua-de-mel e, às vezes, até mesmo viúva. Os colonizadores portugueses trouxeram esta crença para o Brasil. 
            Existem muitos registros históricos de desastres e outros fatos ruins ocorridos durante o mês de agosto.
           Pesquisas detalhadas e, até certo ponto, macabras fazem o registro de datas marcantes. Irei transcrever algumas: Em 24 de agosto de 1572, a rainha da França, Catarina de Médici ordenou o massacre de São Bartolomeu, também conhecida como a “Noite de São Bartolomeu”. Foi um episódio sangrento na repressão aos protestantes na França pelos reis franceses, que eram católicos e  que ceifou milhares de vidas.  Seguindo a saga  do mês... em 24 de agosto de 1910, o Japão invadiu a Coréia, às custas de muito sangue, de muitas lágrimas. Também  ficou marcante que a  1º de agosto de 1914 começou a 1ª Grande Guerra Mundial assim como em agosto de 1939 os homens iniciaram a II Grande Guerra Mundial.E segue a História trazendo mais fatos: Em 2 de agosto de 1932, o líder nazista,Adolfo Hitler assume o governo da Alemanha. 
            Dentre outras catástrofes, em 8 de agosto de 1937, a cidade de Pequim foi  invadida pelos japoneses e entre os dias 6 e 9 de agosto de 1945, as cidades japonesas de Hiroshima e Nagazaki foram destruídas pela bomba atômica, nisto que foi certamente o maior genocídio da História.
Já no Brasil, dois presidentes da República, muito amados pelo povo, morreram tragicamente no mês de agosto: Em 24 de agosto de 1954, Getúlio Vargas praticou suicídio, “saindo da vida para entrar na História” e em 22 de agosto de 1976, Juscelino Kubitscheck faleceu, vítima de um desastre automobilístico. Já no dia 25 de agosto de 1961, o país foi surpreendido pela renúncia do Presidente Jânio Quadros.
        Em nossa Campos, em15 de agosto de 1937, em um comício de Integralistas na praça  São Salvador ,centenas de pessoas foram chacinadas.
        E mais um fato deixa marcas neste mês de agosto: no último dia 13 morreu Eduardo Campos -   candidato à presidente do Brasil nas próximas eleições – em acidente aéreo em Santos/SP.
       Fatalidade? Coincidência? O certo é que só nos cabe crer ou não crer em uma destas duas possibilidades  que fazem engrossar o coro dos que dizem que “Agosto é o mês do desgosto”

       








        






Nenhum comentário: