sexta-feira, 8 de outubro de 2010

"REDES E RENDAS" no Teatro Municipal de Cabo Frio neste domingo

REDES E RENDAS - a história de amor do grão de areia e da estrela

Local: TEATRO MUNICIPAL DE CABO FRIO
Data: 10/10/2010
Horario: 17h - ÚNICA APRESENTAÇÃO
INGRESSOS: R$5,00 mais um brinquedo

REDES E RENDAS - a história de amor do grão de areia e da estrela é um espetáculo de dança-teatro que faz dois mergulhos. O primeiro mergulho é na cultura popular brasileira ao recontar a lenda do surgimento da primeira estrela do mar. O segundo mergulho, é no belíssimo universo cultural de Arraial do Cabo. A história do grão de areia e da estrela é contada por rendeiras e pescadores de Arraial do Cabo.
REDES E RENDAS - a história de amor do grão de areia e da estrela faz mais do que contar uma história de amor. Resgata para as novas gerações a obra poética de artistas populares da região e culturas que estão se perdendo, como as belas criações das rendeiras. Recria personagens populares que ajudaram a criar a Arraial do Cabo como conhecemos hoje. E nos faz pensar nos valores culturais que devem ser preservados.

SINOPSE

Envolvidos nos perigos e incertezas do amor, pescadores e rendeiras de Arraial do Cabo, recontam a história de amor (quase) impossível entre o grão de areia e a estrela. O espetáculo resgata a lenda do folclore nacional do surgimento da primeira estrela do mar. Na criação do texto foram utilizadas poesias de autores cabistas e de escritores que retrataram Arraial do Cabo em suas obras como Victorino Carriço, Maria da Prainha e Amena Mayall. Nesse trabalho, a ACADEMIA DULCE CALDEIRA volta a exercitar as múltiplas possibilidades da dança-teatro ao contar uma bela história de amor recheada de leveza, humor e poesia. No elenco, cerca de quarenta crianças, jovens e adultos entre 04 e 35 anos, professores e alunos, dão vida a personagens que transitam no universo mágico dos contos e histórias que nos são contados há séculos.

Tempo de duração: 50 minutos / Classificação: Livre

FICHA TÉCNICA

Texto e Direção Teatral: Bruno Peixoto.
Coreografias: Dulce Caldeira, Tatiana Prota, Jefferson Augusto e Letícia de Moravia.
Assistente de Direção: Louise Marrie.
Elenco: Letícia de Moravia, Jefferson Augusto, Bruno Peixoto e grande elenco.
Participação Especial: Junior Carriço
Iluminação: Quatro por Quatro
Operação de Luz: Tatianna Rivero
Operação de Som: Julia Faria
Secretaria: Verônica Cartaxo
Confecção dos figurinos: Marilac
Realização: Academia Dulce Caldeira.
Agradecimentos: Casa da Poesia


“Se a água soubesse ler e o peixe fosse escrivão, eu mandava gravar seu nome na palma da minha mão. Não é preciso a água ler, nem mesmo o peixe ser escrivão, que seu nome está gravado dentro do meu coração”.
Poema curto de Maria da Prainha, poetiza popular.

“Há duas coisas no mundo que não se pode esconder. Um calçado que aperta. Um amor que faz sofrer’.
Poema de Victorino Carriço, poeta popular.

Nenhum comentário: